Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   
Dicas

Revista Veja: Hormônios mais Poderosos (Irisina)


29/08/2012


Na Revista Veja dessa semana (Edição 2283 - ano 45 - n° 34 de 22 de agosto de 2012), a reportagem de capa traz a respeito de um novo hormônio descoberto recentemente: A IRISINA.
A irisina é um hormônio gerado pelo nosso organismo, no músculo, estimulando determinadas células adiposas a transformar gordura em calor, aumentando o metabolismo celular.
Ela atua da seguinte forma. Quando começamos a praticar atividades físicas, a irisina é produzida ativando, em certas células, a termogênese, ou seja, a produção de calor. Assim, ocorre um aceleramento no metabolismo de gordura, estimulando o emagrecimento.
Pesquisas
Em testes, os cientistas injetaram pequenas doses da substância em roedores sedentários, obesos e com sintomas de pré-diabetes.
Após dez dias, os animais tiveram os níveis de glicose e insulina normalizados no sangue e até perderam peso.

Os pesquisadores informam que a irisina não vai deixar ninguém mais forte. "Existe uma vasta gama de efeitos que jamais poderemos substituir por uma única intervenção metabólica." Dizem os pesquisadores.

Mesmo expondo cautela em relação ao potencial terapêutico do hormônio, os pesquisadores se mostram otimistas com a perspectiva de usá-lo em humanos em um futuro próximo.

A molécula da irisina dos camundongos é muito parecida com a humana, portanto os mesmos benefícios observados nos roedores podem se mostrar em pessoas. Nos estudos, foram usados vírus para distribuir o hormônio no organismo, algo difícil de fazer com segurança.

Para criar uma droga que possa ser usada em humanos, os pesquisadores estão tentando "colar" a irisina em moléculas de anticorpos, as proteínas de defesa do sistema imunológico, para só depois injetá-las no sangue. Essa medida evita que a droga entre em degradação na corrente sanguínea.

Ainda há muito o que se estudar sobre esses hormônios.

A irisina pode contribuir e muito na qualidade de vida e no emagrecimento, mas a realização de atividade física ainda é insubstituível. Um treino regrado e uma alimentação balanceada são fundamentais para uma boa saúde.



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato