Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[06/06/2018]
Tratamento experimental curou câncer de mama em estágio avançado
O câncer, que já tinha se espalhado pelo corpo, foi derrotado pelas células da própria paciente – que foram colhidas, selecionadas, multiplicadas e reinjetadas
[04/06/2018]
Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde
OMS lança compromisso para diminuir falta de atividade física no mundo em 15% até 2030. Inatividade onera assistência em US$ 54 bilhões anuais, diz entidade.
[01/06/2018]
Cientistas produzem córnea humana usando impressora 3D
Trata-se apenas da demonstração da tecnologia, sem qualquer teste clínico ou em animais, mas com potencial para a produção indefinida de córneas
[25/05/2018]
Saiba qual a real gravidade do ebola e a chance do vírus chegar ao Brasil
Doença é altamente contagiosa sendo transmitida, inclusive, após a morte da pessoa infectada; República Democrática do Congo passa por epidemia

+ mais   
Dicas

Praia e piscina favorecem problemas na pele; confira dicas para se proteger


09/10/2012


Dar um mergulho no mar ou na piscina faz um bem indiscutível para a saúde, mas também pode comprometer a pele e o cabelo. De acordo com a dermatologista Pietra Martini da Clínica Priméra, a água salinizada do mar e o cloro das piscinas provocam ressecamento e irritações. Por isso, facilitam o aparecimento de alergia (dermatite atópica) que predispõe a mancha na pele e queda de cabelo decorrente da desidratação dos fios.

Os problemas não param por aí. A umidade da pele associada ao calor favorece a proliferação de fungos que causam micose. As áreas mais atingidas são: couro cabeludo, axilas, virilha, embaixo dos seios nas mulheres e entre os dedos dos pés.

Também pode aparecer na forma de pequenas manchas brancas espalhadas pelo corpo popularmente conhecida como micose de praia.

Para manter a pele e cabelo hidratados

Pietra afirma que o cloro é tóxico, mesmo em quantidade adequada para eliminar microorganismos da piscina. Por isso, pode causar alergia em pessoas que têm pele mais sensível. Os principais grupos de risco são crianças, idosos, diabéticos e pessoas com predisposição a reações alérgicas porque têm a pele mais fina e seca.

A primeira dica da médica para manter a hidratação da pele e do cabelo é tomar uma chuveirada de água doce logo após sair da piscina para eliminar o excesso de cloro.

Tanto na piscina como no mar a recomendação para intensifica a proteção do cabelo é usar antes do mergulho filtro solar capilar, óleo de argan e cremes sem enxágue para impermeabilizar os fios.

A especialista ressalta que o cabelo deve ser bem enxaguado. Deixar um pouco de condicionador nos fios com a intenção de mantê-los macios é um erro porque o creme impede a boa oxigenação e os fios ficam fragilizados.

Já a hidratação da pele pode ser feita com filtro solar que contenha ceramidas vitamina C ou outros antioxidantes. A dica é secar o corpo antes de reaplicar o filtro solar. Isso porque, a água dilui o creme e a pele fica mais exposta à radiação UV (ultravioleta).

Como evitar a micose

Pietra afirma que toda micose é causada pela penetração de fungos na pele. Normalmente nossa pele convive com estes fungos em harmonia, mas quando fica muito úmida facilita a penetração desses microorganismos e causa desconforto.

Os sintomas são bolinhas, coceira, vermelhidão e descamação. Dependendo do local em que a micose aparece, é comum ser confundida com alergia. Por isso a médica diz que um erro comum cometido pela população é usar pomada de corticóide para tratar o problema. O tratamento correto é feito com cremes antifúngicos. Usar corticóide em lesões micóticas pode piorar o quadro, adverte.

Para evitar a doença a principal recomendação é manter a pele limpa e seca. No caso dos pés, destaca, o uso de meias de algodão e talco evitam a formação de frieiras entre os dedos desde que sejam bem enxugados após o banho. Outro cuidado é não colocar biquíni úmido porque predispõe à candidíase. E não adianta usar secadora porque o ar úmido e quente do equipamento aumenta a quantidade de fungos nas peças. O ideal é secar os biquínis e maiôs ao sol, conclui.

Fonte: www.dnonline.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato