Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/10/2018]
3 cuidados rápidos que você deve ter com a pele das mãos
Dica: tenha sempre um hidratante e um protetor solar por perto. :-)
[11/10/2018]
Distúrbios de saúde mental aumentam em todos os países do mundo
Documento escrito por grupo de especialistas ressalta ainda que transtornos podem custar à economia global até US$ 16 trilhões
[04/10/2018]
Mais de 35% descobriram câncer de mama já avançado, mostra estudo
Pesquisa do Instituto Oncoguia ainda revelou que 36% descobriram metástase por acaso; média de idade para diagnóstico é 37 anos e, de metástase, 40
[27/09/2018]
O que é a febre do Nilo Ocidental, doença que já matou mais de 100 na Europa
a OMS alertou para um preocupante aumento dos casos de febre do Nilo na Europa, que já é cinco vezes maior do que o número registrado no ano passado.

+ mais   
Noticias

Mais de 35% descobriram câncer de mama já avançado, mostra estudo


04/10/2018


Quando a agente de saúde Regiane Costa, 40, descobriu que tinha câncer de mama, o tumor já havia se espalhado para o pulmão e os ossos. O motivo: erro de diagnóstico. Aos 35 anos, notei uma bolinha na base do seio e fui à ginecologista. Ele pediu um ultrassom e constatou que era nódulo de gordura, conta.

Mais de um ano depois, a bolinha havia se tornado uma ferida. No entanto, mais uma vez, a ginecologista não cogitou câncer. Ela afirmou ser bactéria e me prescreveu corticoide.

Encaminhada para uma microcirurgia, uma mamografia pré-operatória revelou que a ferida era um tumor maligno em estágio avançado. Foram 12 sessões de quimioterapia, a retirada e reconstrução da mama e um tratamento que se prolonga até hoje.

Regiane não está sozinha. Assim como ela, mais de 35% das mulheres descobriram o câncer de mama já em estágio avançado, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira (2), pelo Instituto Oncoguia, que dá apoio a pacientes com câncer.

A média de idade para o primeiro diagnóstico é aos 37 anos, e do diagnóstico da metástase, aos 40, sendo a idade média para o câncer de mama, de maneira geral, aos 44 anos. Ficamos impressionados ao observar, neste levantamento, a presença de doença metastática em mulheres muito novas, afirma Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia.

A pesquisa foi realizada com mais de 250 pacientes com câncer de mama metastático – que já espalhou para outros órgãos. O Instituto ressalta que o câncer metastático é um estágio avançado da doença. Controlar a doença e manter a qualidade de vida são as prioridades desta fase.

A maioria das mulheres que participaram do estudo não tinha histórico de câncer na família, o que poderia explicar a pouca idade no momento do diagnóstico, segundo Luciana.

Metástase é descoberta por acaso

Cerca de 36% delas descobriram a metástase por acaso, sem ter conhecimento do câncer no organismo. Mais de 60% das pacientes disseram ter metástases no osso, seguido de pulmão, fígado e cérebro, ainda de acordo com o estudo.

A pesquisa demonstrou ainda que 20% não sabe qual o seu tipo de câncer de mama. O Instituto destaca que os tumores de mama diferem entre si e isso influencia no tipo de tratamento que será realizado.

O tumor pode variar de acordo com o tipo de receptor que ele tem. Receptores são como fechaduras específicas e somente a chave certa pode ativá-los. Há tumores que são hormônio-positivos, outros expressam uma proteína chamada HER2. E há tumores chamado de triplo negativo, que não expressam nem HER2 nem hormônios, informa o Instituto.

Segundo Luciana, são essas informações que vão definir o tratamento adequado e proporcionar mais tempo e qualidade de vida a um paciente.

De acordo com o levantamento, 58% consideraram ter um nível razoável de conhecimento sobre o câncer. No entanto, Luciana questiona a qualidade dessas informações. Em tempos de fake news, é fundamental procurar fontes confiáveis de notícias e evitar disseminar conteúdo de origem duvidosa, sem comprovação científica, afirma.

Cerca de 40% queixaram-se de perda de qualidade de vida após descobrirem o câncer. A própria doença e o tratamento podem apresentar uma série de efeitos colaterais. Isso somado ao tratamento periódico para o resto da vida podem explicar, de acordo com Luciana, por que 78% das pacientes terem respondido que não trabalham.

No momento do diagnóstico, cerca de 80% dessas pacientes estavam trabalhando. Um quarto dessas mulheres está aposentada pelo INSS.

Regiane é uma delas. Atualmente, vai iniciar tratamento para combater metástases no fígado. Apesar de algumas limitações, como restrição a grandes esforços físicos e perda de mobilidade da perna esquerda, ela conta que vive normalmente – é mãe de três filhos.

Não sei qual a razão da doença. Não tenho histórico familiar, nunca fumei nem bebi e sempre fui bem ativa. Hoje tenho uma vida quase normal. É possível conviver com o câncer. Dá para ser feliz. Faço valer cada dia que conquisto, afirma.

Fonte: R7



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato