Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[20/07/2018]
Sete casos de sarampo são confirmados no Estado
Todos os episódios têm ligação com a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi registrado o primeiro caso da doença
[16/07/2018]
Doença sexualmente transmissível pouco conhecida se alastra e alarma médicos
Infecção bacteriana mycoplasma genitalium causa dores, secreções e, no caso das mulheres, pode levar à infertilidade
[06/06/2018]
Tratamento experimental curou câncer de mama em estágio avançado
O câncer, que já tinha se espalhado pelo corpo, foi derrotado pelas células da própria paciente – que foram colhidas, selecionadas, multiplicadas e reinjetadas
[04/06/2018]
Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde
OMS lança compromisso para diminuir falta de atividade física no mundo em 15% até 2030. Inatividade onera assistência em US$ 54 bilhões anuais, diz entidade.

+ mais   


Garganta ressecada: beber água e evitar sódio aliviam o sintoma


11/03/2016


Clima seco e até refluxo gastroesofágico favorecem o quadro

Para entender porque a garganta fica ressecada nas estações mais frias, vamos falar um pouco da umidade do ar. Este assunto é sempre comentado pelos meteorologistas, pois tem muitas implicações para nossa saúde. A umidade relativa do ar significa o quanto de vapor de água existe na atmosfera em relação ao máximo que poderia haver para a temperatura naquele dado momento. A umidade do ar é mais baixa no fim do inverno e início da primavera. No período da tarde, entre 12 e 16 horas, a umidade do ar também está mais baixa. Ela é alta em áreas de florestas, represas e rios, e aumenta logo após chuvas devido à evaporação.

Muitas cidades brasileiras vêm apresentando baixos níveis de umidade relativa do ar nos meses de inverno ao longo dos últimos anos. É um fenômeno que tem várias causas, como a redução progressiva da cobertura vegetal, impermeabilização do solo e aumento da população. Por isso, nesta época estamos sentindo muito esse efeito climático.

O ar seco leva a problemas respiratórios por dois motivos. Um deles é o ressecamento das mucosas e do muco, a secreção produzida pelo organismo que "limpa" a via aérea de partículas estranhas. Outro fator está relacionado com a poluição: o clima seco dificulta a dispersão de substâncias poluentes, fazendo com que tenhamos mais contato com elas. Isso favorece crises alérgicas.

O nariz, que age como filtro do ar ambiente, sofre irritação e pode sangrar facilmente. A pele também fica ressecada e os olhos irritados.

A sensação de garganta seca pode ser consequência de algo temporário, não necessariamente relacionado a uma doença. Além do clima seco, outras situações podem levar ao ressecamento da garganta. A baixa ingestão de líquidos e profissões que utilizam muito a fala, como professores, são exemplos. O abuso de bebidas alcoólicas e o cigarro causam uma irritação na garganta, além de prejudicar a produção de muco, que "lubrifica" e limpa a via aérea.

O refluxo é mais uma condição comum na população que leva a desconforto na garganta. A mucosa da faringe é mais susceptível aos ácidos vindos do esôfago e do estômago, portanto poucas quantidades de refluxo podem causar queixas importantes, até dor de garganta e engasgos.

Uma lista grande de medicamentos também podem causar a sensação de garganta seca. Os principais são: antialérgicos, antidepressivos, diuréticos e anti-hipertensivos. Se a queixa for importante, vale a pena discutir com o médico a possibilidade de mudança.


Algumas medidas simples e muito importantes podem ser incorporadas ao dia-a-dia para amenizar o sintoma:

• Ter o hábito de tomar líquidos, como água e sucos. Fuja dos refrigerantes!
• Evitar alimentos com alto teor de sódio (salgadinhos e enlatados)
• Evitar a prática de exercícios físicos e a exposição ao sol no período mais seco, das 12 às 16 horas
• Limpeza do nariz com solução fisiológica
• Evitar ambientes com ar-condicionado sempre que possível.

Se a sensação de garganta seca for prolongada e, em especial, se estiver levando a dificuldade na alimentação associada a sintomas como roncos, falta-de-ar e engasgos, é importante procurar a ajuda de um profissional. O médico também irá pesquisar medicamentos que possam estar implicados e doenças gerais que possam se manifestar com este problema.


Fonte: Mnha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato