Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[20/07/2018]
Sete casos de sarampo são confirmados no Estado
Todos os episódios têm ligação com a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi registrado o primeiro caso da doença
[16/07/2018]
Doença sexualmente transmissível pouco conhecida se alastra e alarma médicos
Infecção bacteriana mycoplasma genitalium causa dores, secreções e, no caso das mulheres, pode levar à infertilidade
[06/06/2018]
Tratamento experimental curou câncer de mama em estágio avançado
O câncer, que já tinha se espalhado pelo corpo, foi derrotado pelas células da própria paciente – que foram colhidas, selecionadas, multiplicadas e reinjetadas
[04/06/2018]
Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde
OMS lança compromisso para diminuir falta de atividade física no mundo em 15% até 2030. Inatividade onera assistência em US$ 54 bilhões anuais, diz entidade.

+ mais   


Zika: nova técnica consegue detectar infecção pelo vírus com mais eficiência


15/03/2016


Método rastreia anticorpos contra a doença e a identifica mesmo após eliminação do vírus

Um dos maiores problemas do diagnóstico do Zika vírus é que ele normalmente é diagnosticado quando ainda está ativo no organismo, mas depois disso é muito difícil determinar se a pessoa teve a doença. Como o ciclo de vida do vírus é muito curto, o que limita muito o diagnóstico.

Mas uma equipe de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) parece ter resolvido esse problema. Em vez de localizar o DNA do vírus no corpo, como o exame PCR faz, ele detecta a presença de anticorpos contra o vírus, mesmo após a eliminação do antígeno pelo corpo.

Mas uma equipe de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) parece ter resolvido esse problema. Em vez de localizar o DNA do vírus no corpo, como o exame PCR faz, ele detecta a presença de anticorpos contra o vírus, mesmo após a eliminação do antígeno pelo corpo.

"Com este método podemos demonstrar a especificidade da detecção do Zika, superando uma deficiência séria dos sistemas sorológicos até agora disponíveis", explica o professor Luís Carlos de Souza Ferreira, Vice-Diretor e coordenador do Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas do ICB, em entrevista à Agência USP de Notícias.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato