Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[20/07/2018]
Sete casos de sarampo são confirmados no Estado
Todos os episódios têm ligação com a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi registrado o primeiro caso da doença
[16/07/2018]
Doença sexualmente transmissível pouco conhecida se alastra e alarma médicos
Infecção bacteriana mycoplasma genitalium causa dores, secreções e, no caso das mulheres, pode levar à infertilidade
[06/06/2018]
Tratamento experimental curou câncer de mama em estágio avançado
O câncer, que já tinha se espalhado pelo corpo, foi derrotado pelas células da própria paciente – que foram colhidas, selecionadas, multiplicadas e reinjetadas
[04/06/2018]
Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde
OMS lança compromisso para diminuir falta de atividade física no mundo em 15% até 2030. Inatividade onera assistência em US$ 54 bilhões anuais, diz entidade.

+ mais   


Hospital registra terceira morte por superbactéria resistente a antibióticos


22/03/2016


Primeira infecção aconteceu em janeiro, mas hospital entrou em alerta depois do segundo caso, em fevereiro

A administração do Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, em Americana, interior de São Paulo, confirmou na quinta-feira, 17, a terceira morte causada pela superbactéria Klebsiella pneumoniae, conhecida pela sigla KPC, neste ano. As vítimas fazem parte de um grupo de 11 pacientes do hospital infectados pela bactéria, resistente aos antibióticos. Três pacientes continuam internados, dois deles em unidade de terapia intensiva.

De acordo com o médico Arnaldo Gouveia, infectologista do hospital, em todos os casos de óbito as vítimas tinham o estado de saúde muito debilitado. O último paciente a morrer apresentava quadro grave de pancreatite. O óbito já foi informado à Secretaria de Saúde do Estado, que acompanha o caso.

A primeira infecção aconteceu em janeiro, mas o hospital entrou em alerta após a detecção do segundo caso, em fevereiro. Exames do Instituto Adolfo Lutz identificaram a bactéria e os novos casos foram surgindo.

De acordo com Gouveia, desde 25 de fevereiro não aconteceram novas infecções, mas é preciso esperar oito semanas para considerar que a bactéria saiu de circulação. Todos os pacientes foram tratados em regime de isolamento.

Existe a suspeita de que o primeiro paciente pode ter entrado no hospital já com a bactéria, por isso as unidades de saúde do município estão em alerta para o possível surgimento de casos fora do ambiente hospitalar.

A Klebsiella pneumoniae é considerada superbactéria porque sofreu uma mutação genética que fez com que adquirisse resistência a vários tipos de antibióticos.


Fonte: Saúde iG



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato