Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[20/07/2018]
Sete casos de sarampo são confirmados no Estado
Todos os episódios têm ligação com a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi registrado o primeiro caso da doença
[16/07/2018]
Doença sexualmente transmissível pouco conhecida se alastra e alarma médicos
Infecção bacteriana mycoplasma genitalium causa dores, secreções e, no caso das mulheres, pode levar à infertilidade
[06/06/2018]
Tratamento experimental curou câncer de mama em estágio avançado
O câncer, que já tinha se espalhado pelo corpo, foi derrotado pelas células da própria paciente – que foram colhidas, selecionadas, multiplicadas e reinjetadas
[04/06/2018]
Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde
OMS lança compromisso para diminuir falta de atividade física no mundo em 15% até 2030. Inatividade onera assistência em US$ 54 bilhões anuais, diz entidade.

+ mais   


Surto de Gripe H1N1: o que você precisa saber sobre a vacina?


05/04/2016



O surto precoce da gripe H1N1 em 2016, principalmente no Estado de São Paulo, levantou muitas dúvidas da população em relação a vacina da gripe. Como forma de imunizar a população e conter o surto de Gripe H1N1, o Ministério da Saúde decidiu antecipar a campanha nacional de vacinação contra a gripe de 2016. Sendo assim, a partir do dia 11 de abril, em São Paulo, a vacina da gripe começará a ser aplicada nas pessoas do chamado grupo prioritário: gestantes, mulheres que acabaram de ter filhos (menos de 45 dias), crianças de seis meses até cinco anos e idosos. Os demais componentes do grupo prioritário, como portadores de doenças crônicas, população carcerária e índios serão vacinados a partir do dia 30 de abril em todo o Brasil. A campanha termina no dia 20 de maio.


• Como é a vacina da gripe H1N1

A vacina da gripe utilizada na rede pública será a trivalente, a mesma usada no ano de 2015. Ela previne contra três tipos de vírus influenza e é composta por três cepas (espécies do vírus): uma cepa A/H1N1, uma cepa A/H3N2 e uma cepa B. O Ministério da Saúde optou por vacinar a população com a vacina trivalente na rede pública, devido à prevalência do vírus H1N1. "Em vista do surto, o Ministério da Saúde decidiu utilizar a vacina trivalente. Isso porque o vírus H1N1 não passou por alterações, portanto, a vacina continua eficaz para preveni-lo", explica a infectologista Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações.

Mesmo que o vírus H1N1 não tenha mudado, o vírus H3N2 e a cepa B mudaram de 2015 para cá. Sendo assim, para proteger a população contra eles, foi criada a vacina quadrivalente (também chamada de tetravalente). O antídoto oferece a mesma imunização da vacina trivalente (cepa A/H1N1, uma cepa A/H3N2 e uma cepa B) e conta ainda com uma cepa B a mais, tornando-se mais completa que a trivalente. A vacina quadrivalente está disponível apenas na rede de saúde privada.

A vacina quadrivalente é produzida pelas empresas farmacêuticas privados GSK e Sanofi. A versão da GSK está licenciada pela Anvisa em nosso país para crianças e adultos a partir de três anos de idade, em formulação única de 0,5mL. Já a vacina quadrivalente do laboratório Sanofi Pasteur tem registro na Anvisa de duas formulações: pediátrica, para uso em crianças de seis meses até três anos (0,25mL) e adulta, para crianças e adultos acima de três anos de idade (0,5mL).

De acordo com o infectologista Celso Granato, professor da Unifesp e diretor científico do laboratório Fleury, as pessoas que tomaram ou ainda vão tomar a vacina trivalente não precisam se sentir inseguras em relação a ela, pois ambas protegem contra o vírus H1N1, causador do surto de gripe. O que a vacina quadrivalente faz é proteger contra um tipo de vírus B que é muito difícil de afetar a população.


• Quem deve tomar a vacina da gripe H1N1

Devido a uma possível instabilidade do sistema imunológico alguns grupos têm prioridade para a imunização contra a gripe H1N1. Entre os principais grupos chamados de prioritários estão bebês, mulheres grávidas e mulheres que deram à luz há menos de 45 dias (chamado período puerpério, ou pós-parto).

Em crianças e bebês, a gripe H1N1 tende a se manifestar de forma mais grave do que nos adultos. "Qualquer doença nesta faixa etária é mais grave porque a criança ainda não tem o sistema imunológico tão fortalecido quanto o do adulto", explica a pediatra Andréa Lucchesi de Carvalho, presidente do comitê de Infectologia Pediátrica da Sociedade Mineira de Pediatria.

Crianças entre seis meses e nove anos que estão tomando a vacina pela primeira vez devem tomar duas doses da vacina com intervalo de até três semanas. Já as crianças da mesma faixa etária (entre seis meses e nove anos) que já tomaram a vacina em outros anos, tomam apenas uma dose.

Adultos e crianças de qualquer idade que já se vacinaram no ano passado ou em anos anteriores e que querem ou devem se proteger precisarão tomar a vacina novamente. Isto porque o vírus da gripe sofre pequenas modificações de um ano para outro. Além disso, o tempo de duração de uma vacina costuma ser em torno de 1 ano. "A imunidade começa a cair a partir do oitavo mês depois da vacinação. Por isso, é importante as pessoas cuidarem da saúde e se vacinarem contra a gripe", alerta a infectologista Isabela Ballalai


• Sintomas diferentes em bebês e crianças

Outra questão é que em bebês e crianças os sintomas da gripe H1N1 podem ser um pouco diferentes do que nos adultos. "Os sintomas são mais inespecíficos, o pequeno pode só ficar um pouco mais irritado, com dificuldade para se alimentar, mas a febre, sintoma comum nos adultos, pode demorar para aparecer", destaca Andréa Lucchesi de Carvalho. Por isso, é essencial contatar o pediatra assim que a criança começar a apresentar algum problemas de saúde.


• Vacinação antes do bebê completar 6 meses

Os bebês menores de seis meses não devem tomar a vacina contra gripe porque ainda não há estudos suficientes sobre os efeitos dela nos primeiros meses de vida. Além disso, acredita-se que a vacina da gripe antes dos seis meses de vida pode não ser tão eficaz, pois o sistema imunológico do bebê não está totalmente preparado. Nesta fase o bebê receberá a proteção contra esta doença por meio do aleitamento materno, desde que a mãe tenha se vacinado contra a gripe. Esse é um dos motivos pelos quais também é essencial que as gestantes e as puérperas, caso não tenham se imunizado na gravidez, se vacinem contra a gripe H1N1.


• Vacinação para gestantes

A gripe H1N1 é mais preocupante para gestantes. "A gravidez é um momento especial e modifica todo o organismo da mulher. Entre as mudanças, as gestantes têm maior dificuldade para respirar porque o crescimento do bebê comprime os pulmões e ainda há uma diminuição da resposta do sistema imunológico", observa a pediatra Andréa Lucchesi de Carvalho.

A orientação é que as gestantes procurem se vacinar logo após o primeiro trimestre de gestação, período recomendado pelos médicos. É importante deixar claro que contrair a gripe H1N1 na gravidez não irá afetar a saúde do feto. Caso a mulher não tenha tomado a vacina durante a gestação, deve tomar no período do puerpério, pós-parto. Os sintomas e o tratamento da gripe H1N1 nas gestantes e puérperas é igual aos dos demais adultos.


• Pacientes crônicos e idosos

Além disso, pacientes de qualquer idade que apresentem doença pulmonar ou cardiovasculares crônicas e graves, insuficiência renal crônica, diabetes melito insulino-dependente, cirrose hepática e hemoglobinopatias também têm prioridade para tomar a vacina.

Da mesma forma, devem tomar a vacina pessoas imunocomprometidas ou HIV-positivos, pacientes submetidos a transplantes, profissionais de saúde e familiares que estejam em contato com os pacientes mencionados anteriormente e pessoas de 60 anos.


• Importância da vacinação

A vacina contra o vírus influenza, tanto a trivalente quanto a quadrivalente oferece cerca de 70% de eficácia para quem é imunizado. "Isso não quer dizer que as pessoas não vão mais pegar gripes. Mas se pegarem, terão sintomas mais amenos e um sistema imunológico fortalecido", ressalta o infectologista Celso Granato.

Além disso, a vacina fortalece organismo contra os casos de pneumonia viral, bacteriana e também a Síndrome Respiratória Aguda. "Se o organismo está fraco, pode acontecer de o vírus se desenvolver com mais força e desencadear problemas que podem levar à morte", alerta a pediatra Andréa Lucchesi de Carvalho.

Uma das possíveis hipóteses que explicam o surto de gripe é que o sistema imunológico da população estava "desacostumado" a criar anticorpos contra o vírus H1N1. "Ano passado sobraram vacinas contra a gripe, isso pode ter levado a uma queda nas defesas imunológicas da população e desencadeado um surto esse ano", opina Granato. Ele diz que não acredita que o trânsito de pessoas vindas do hemisfério norte possa ser a única hipótese para o aumento de casos de principalmente porque as pessoas estão viajando menos.


• Efeitos colaterais possíveis

Tanto a vacina trivalente quanto a quadrivalente são aplicadas via intramuscular. Em vista disso pode acontecer a região ficar um pouco sensível no dia. Algumas pessoas também podem apresentar episódios de febre, mal-estar nas primeiras 24 horas.

É comum as pessoas acharem que a vacina causa gripe. De acordo com os especialistas, isso não é verdade, pois o antídoto é feito com o vírus inteiro inativo, em outras palavras, morto. Sendo assim, não haveria como a vacina ocasionar uma gripe. "O que acontece é que o vírus influenza está circulando no ar e pode acontecer de a pessoa estar com ele incubado no período em que tomou a vacina", explica a infectologista Isabella. É importante enaltecer que a resposta imunológica não é imediata e o organismo só começa a produzir anticorpos contra a gripe a partir de duas ou três semanas depois da imunização.


• Contraindicação

As pessoas que apresentam hipersensibilidade ao ovo não podem tomar a vacina, pois o componente faz parte do antídoto. E pacientes que apresentaram alguma reação anafilática precisam se vacinar em ambiente hospitalar.


• Onde encontrar

A vacina trivalente pode ser encontrada na rede pública em postos de vacinação e unidades básicas de saúde. É importante ressaltar que somente as pessoas pertencentes ao grupo prioritário podem tomar a vacina na rede pública. Quem não estiver dentro do grupo prioritário e quiser tomar a vacina pode encontrá-la em clinicas e laboratórios particulares.

É importante ressaltar que os antídotos não ficam disponíveis nos postos de saúde o ano inteiro. Por isso, quem for se vacinar na rede pública precisa ficar atento ao calendário de vacinação do Ministério da Saúde, que se inicia no dia 30 de abril e termina em 20 de maio. Estados como São Paulo, optaram por antecipar a vacinação para 11 de abril na capital e região metropolitana.


• Surto sim, epidemia não

Em entrevista, o secretário municipal de Saúde, Alexandre Padilha informou que estamos distantes de uma situação epidêmica da gripe H1N1 e que o aumento de pessoas que manifestaram a gripe está em um local específico.

De acordo com ele, como forma de combater a maior circulação do vírus na cidade, a secretaria está alertando os profissionais de saúde sobre essas síndromes, especialmente a H1N1, e redobrar a atenção com gestantes, cardiopatas ou diabéticos. Além disso, também é importante a saúde pública garantir o Tamiflu (medicamento para tratar a gripe H1N1).

Para o infectologista Celso Granato, as pessoas vêm apresentando um medo excessivo em relação ao vírus H1N1. "A imunização é a melhor forma de se prevenir contra o vírus H1N1, mas é importante lembrar que a vacina é essencial principalmente para a população de risco (grupos prioritários). Se as pessoas que não fazem parte desse grupo quiserem tomar, será muito bom. Mas não tomar a vacina contra gripe não representa uma sentença de morte", alerta.


• A gripe H1N1

A gripe causada pelo vírus Influenza A/H1N1(inicialmente chamada de gripe suína) é uma doença transmitida de pessoa para pessoa por meio de secreções respiratórias, principalmente por meio de tosse ou espirro. A transmissão costuma ocorrer quando há contato, especialmente em locais fechados. Caso ocorra a transmissão os sintomas podem se iniciar no período de três a sete dias após o contato, geralmente com febre alta, em torno de 38C°, coriza, nasal, espirros e dores musculares. Apesar do nome popular de gripe suína não há registro de transmissão da gripe H1N1 para pessoas por meio da ingestão da carne de porco.


Fonte: minhavida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato