Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[20/07/2018]
Sete casos de sarampo são confirmados no Estado
Todos os episódios têm ligação com a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi registrado o primeiro caso da doença
[16/07/2018]
Doença sexualmente transmissível pouco conhecida se alastra e alarma médicos
Infecção bacteriana mycoplasma genitalium causa dores, secreções e, no caso das mulheres, pode levar à infertilidade
[06/06/2018]
Tratamento experimental curou câncer de mama em estágio avançado
O câncer, que já tinha se espalhado pelo corpo, foi derrotado pelas células da própria paciente – que foram colhidas, selecionadas, multiplicadas e reinjetadas
[04/06/2018]
Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde
OMS lança compromisso para diminuir falta de atividade física no mundo em 15% até 2030. Inatividade onera assistência em US$ 54 bilhões anuais, diz entidade.

+ mais   


Dor crônica: o que fazer quando o sintoma se torna uma doença?


03/05/2016


Dores que não passam são mais comuns em mulheres do que em homens


A dor é uma resposta de defesa do organismo, mas ela também pode funcionar de maneira errada ou exagerada caracterizando uma doença: a dor crônica. Quando o cérebro interpreta que a dor não está sendo "resolvida" ele fica ainda mais "sensível" aos estímulos da dor, captando-os de forma mais intensa. O recrutamento de um outro sistema nervoso chamado autonômico, faz com que a dor fique ainda mais "enraizada" e de difícil resolução. O sistema de dor também pode ficar doente, gerando as dores crônicas.

Geralmente as mulheres são mais suscetíveis às dores crônicas devido a sua genética e hormônios. Por exemplo, o uso de salto alto, a menopausa e a falta dos hormônios protetores dos ossos, assim como durante a gravidez - em que a coluna experimenta alterações no seu eixo - são fatores da mulher que propiciam a dor.


Principais dores crônicas

A principal dor crônica é a dor de cabeça, seguida da dor na coluna. Por exemplo, 75% das pessoas irão experimentar ao menos uma vez na vida um "travamento" na coluna lombar, enquanto cerca de 38% irão desenvolver algum tipo de dor na coluna durante a vida. Estas duas dores correspondem a maioria das dores, seguidas das dores nas articulações.


Ainda não se provou porque estas regiões são mais afetadas, mas acredita-se que na dor de cabeça os fatores hormonais são os principais fatores relacionados, enquanto na coluna os fatores genéticos e posturais seriam os mais importantes.


Tratamento da dor crônica

É importante tratar a dor crônica, pois ela pode gerar uma queda na qualidade de vida, desânimo - a pessoa não quer sair por causa da dor, nem tem ânimo para fazer as suas atividades - depressão, irritabilidade (gerando até um problema de convivência com a família e amigos), baixa produtividade no trabalho, dentre outros fatores.



Os principais tratamentos para qualquer tipo de dor baseiam-se em:

1. Exercícios físicos orientados: o movimento é um dos melhores remédios para as dores, benefício comprovado cientificamente. A liberação de endorfinas e a movimentação articular e óssea geram no cérebro um efeito analgésico.

2. Fortalecimento muscular: o fortalecimento dos músculos irá proteger as estruturas ósseas, como a coluna e os joelhos, por exemplo, diminuindo e evitando as dores. Mas este fortalecimento tem que ser orientado por um profissional da área, principalmente para quem já apresenta dor.

3. Fisioterapia analgésica: é utilizada nas dores agudas por um profissional da área. São utilizadas técnicas como o ultrassom, o laser, o alongamento e a estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS).

4. Medicamentos: são utilizados remédios em alguns casos de dor, sendo que cada doença apresenta tipos de tratamentos com drogas específicas a serem avaliadas pelo médico. A automedicação bem como o uso prolongado podem deixar a dor crônica, não sendo uma prática aconselhável.

5. Bloqueio da dor: o procedimento é feito através de uma agulha guiada e anestesia local, colocando o medicamento na região afetada pela dor. Utilizamos, por exemplo, na coluna ou no nervo ciático nos casos de hérnia de disco, tentando "desinflamar" a região.

6. Radiofrequência: uma agulha é introduzida na região chegando aos nervos acometidos, que serão tratados pelo método de radiofrequência, que nada mais é do que um tipo de energia que faz com que o nervo interrompa a mensagem de dor enviada ao cérebro.

7. Cirurgia: em casos específicos, são feitas intervenções cirúrgicas com técnicas convencionais ou minimamente invasivas. Esses casos normalmente englobam alguns tipos de dor, como a hérnia de disco que não foi resolvida com os passos clínicos, bloqueios e radiofrequência.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato