Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Infecção pelo ZIKA vírus


09/05/2016


Dra Luciana Spina

Em 80 dos casos a doença pode ser assintomática. Quando os sinais aparecem, em geral de 7 a 10 dias depois da picada, podem ser semelhantes aos da dengue, porém tão menos agressivos que chegam a ser confundidos com os sintomas de uma virose comum. Como desaparecem espontaneamente depois de três a sete dias, na maioria dos casos, as pessoas nem chegam a procurar assistência médica e não recebem o diagnóstico da doença.

Veja os sintomas que fazem parte do quadro típico da infecção pelo Zika virus:

• Febre por volta dos 38 graus;
• Aumento dos gânglios linfáticos;
• Dor de cabeça, no corpo e nas articulações (que pode durar várias semanas);
• Erupção cutânea acompanhada de coceira intensa que pode tomar o rosto, o tronco, os membros e atingir a palma das mãos e a planta dos pés;
• Fotofobia (sensibilidade à claridade intensa);
• Conjuntivite (olhos vermelhos, inflamados, lacrimejantes e sem secreção purulenta);
• Diarreia, náuseas, mal-estar;
• Cansaço extremo.

O diagnóstico é basicamente clinico. O médico leva em conta os sintomas e o histórico do doente. Existem exames específicos para pesquisar a presença de anticorpos ou fragmentos dos vírus no sangue do paciente solicitados em determinadas situações.
Casos confirmados de microcefalia indicam que as mães foram infectadas pelo vírus nos primeiros meses de gravidez. Estudos recentes indicam também uma ligação entre o Zika virus e a Síndrome de Guillain-Barré, doença autoimune que provoca fraqueza muscular e paralisia. Essas são as principais complicações dessa virose.

Por enquanto, a única forma de prevenir a infecção é combater os criadouros dos mosquitos, que proliferam em depósitos de água parada nas proximidades das residências.

Não existe tratamento específico contra a infecção pelo Zika virus. Como nas outras viroses, certos medicamentos – analgésicos, anti-inflamatórios, antialérgicos e colírios – são úteis para aliviar os sintomas. Remédios que contêm ácido acetilsalicílico devem ser evitados. Deve-se permanecer em casa, em repouso, redobrar os cuidados com a hidratação e ingerir uma alimentação saudável e balanceada.

Fonte: Dra. Luciana Spina



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato