Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[18/09/2018]
Varizes e AVC: tem relação?
Especialistas tiram dúvidas no Bem Estar.
[17/09/2018]
1 em 5 homens e 1 em 6 mulheres terão câncer em algum momento da vida
Dados são do último relatório estatístico sobre a situação do câncer no mundo, da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer.
[13/09/2018]
Manchas e rugas podem indicar como andam órgãos importantes
Algumas manchas podem indicar resistência à insulina. As rugas em fumantes podem indicar obstruções no pulmão.
[12/09/2018]
Vacina do futuro será autoaplicável e enviada pelo correio, apontam cientistas
Grupo de 14 pesquisadores dos EUA, Canadá e Israel publicaram nesta quarta-feira estudo em que mostram uma nova técnica para fabricação de vacinas

+ mais   


STF suspende lei que autorizava uso da pílula do câncer


02/06/2016


Supremo Tribunal Federal concedeu liminar que impede temporariamente que a fosfoetanolamina sintética seja distribuída para pacientes com câncer

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) concederam liminar que suspende a lei nº 13 269, que autorizava o uso da fosfoetanolamina sintética — conhecida como pílula do câncer — por pacientes antes mesmo do registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Assim que a lei foi sancionada pela Presidência da República, a Associação Médica Brasileira (AMB) entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no STF questionando sua validade. Várias outras instituições da área de saúde também se manifestaram contrariamente à liberação do composto. A Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), por exemplo, divulgou um comunicado em que classificava a aprovação como um duro golpe contra a ciência e a responsabilidade em saúde pública.

Ontem, dia 19 de maio, os ministros do STF, ao analisarem a ação da AMB, decidiram — por 6 votos a 4 — que a substância não deve mais ser distribuída àqueles pacientes que se dispunham a tomá-la apresentando apenas laudo médico que comprovasse o diagnóstico de câncer. Segundo a maioria da Corte (votaram contra a lei os ministros Marco Aurélio Mello, relator do processo, Luís Roberto Barroso, Teori Zavascki, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski), a liberação vai contra a Constituição, porque fere o direito à saúde, o direito à segurança e à vida e o principio da dignidade da pessoa humana. De acordo com a lei, não há sequer necessidade de apresentação de prescrição médica [para conseguir a substância]. Há, assim, um risco de dano irreparável ou de difícil reparação à saúde dos cidadãos, defendeu o relator do caso. Mas cabe lembrar que o processo segue em julgamento — a decisão final ainda não foi tomada.

Os argumentos entre os ministros que votaram em favor da liberação (Edson Fachin, Rosa Weber, Dias Toffoli e Gilmar Mendes) foram de que pacientes em estado terminal precisam ter autonomia para decidir. O Congresso Nacional pode reconhecer o direito de pacientes terminais agirem, ainda que tenha que assumir riscos desconhecidos em prol de um mínimo de qualidade de vida, afirmou o ministro Edson Fachin ao anunciar seu voto.
No entanto, a ministra Carmén Lúcia, que votou pela suspenção da lei, chamou atenção para o fato de que os médicos veem riscos na utilização do composto e desconhecem seus efeitos colaterais. Ela disse ser importante conceder a liminar que barra a lei para que não se veja na pílula do câncer mais uma pílula de engano para quem já está sofrendo com o desengano.

Só um adendo: pacientes que já haviam conseguido na justiça o direito de receber a substância permanecem aptos a recebê-la. São as novas liminares que estão vetadas no momento — e isso dificulta bastante o acesso à fosfo.


Fonte: MdeMulher



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato