Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Esclareça suas principais dúvidas sobre a meningite


23/06/2016


Descubra como prevenir a meningite, quais as diferenças entre os principais tipos de meningite e muito mais

Selecionamos as principais dúvidas sobre meningite e esclarecemos com o neurologista Paulo Christos, coordenador do departamento científico de neurociência da Academia Brasileira de Neurologia. Confira:


Afinal, existe mais de um tipo de meningite?

Sim, existem muitos tipos de meningite. Para começar, a meningite pode ser infecciosa ou não infecciosa. As meningites infecciosas são as mais comuns e são causadas por vírus e bactérias.


Existem vacinas para prevenir a meningite?

Existem vacinas para a prevenção de algumas meningites causadas por bactérias. "Há vacinas para dois tipos de meningites infecciosas em decorrência das bactérias meningococo e hemófilo", explica o neurologista Paulo Christos.


Também há vacina para a meningite em decorrência da bactéria pneumococo. "Porém esta não é especifica para casos de meningite, mas sim para o agente em si, que também causa doenças como a pneumonia", explica Paulo Christos.


Qual é a diferença entre as meningites virais e bacterianas?

Além da diferença principal, uma é causada por uma bactéria e outra por um vírus, as meningites bacterianas costumam ser mais graves do que as virais. "Ambas inflamam o mesmo local só que em níveis diferentes", observa Paulo Christos. Além disso, a forma de tratamento varia de acordo com o agente que causou a meningite.


Existem outras formas de prevenir a meningite além das vacinas?

Algumas meningites podem ser transmissíveis e outras não. Por isso, quando alguém é diagnosticado com meningite é importante evitar o contato até se descobrir qual é o agente que está causando esta doença. Caso seja um tipo de meningite transmissível, deve-se continuar evitando o contato, mas se for uma meningite não transmissível o contato pode ser retomado sem problemas. "Algumas meningites podem ocorrer em decorrência de uma sinusite ou de uma infecção de ouvido não tratadas, portanto também é importante tratar corretamente estas doenças", destaca Paulo Christos.


Se a pessoa teve meningite uma vez, ela pode ter de novo?

Sim. "Ao contrário de doenças como a catapora, ter meningite uma vez não significa que a pessoa não terá de novo", observa Paulo Christos.


Quais podem ser as sequelas da meningite?

A meningite pode ter uma série de sequelas, sendo que as principais são problemas auditivos, visuais, motores, cognitivos e até epilepsia.


Quais os riscos de morte em decorrência da meningite?

O risco de morte vai variar de acordo com o tipo de meningite e com a idade e situação de saúde do paciente. As meningites bacterianas costumam ter uma mortalidade maior. Bebês, idosos, pacientes com doenças crônicas não controladas e pacientes imunodeprimidos. "Para se ter uma ideia, a meningite pneumocócica é uma das mais graves e tem uma mortalidade média de 20%, já a meningocócica tem a taxa de mortalidade de 10%", afirma Paulo Christos.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato