Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[21/01/2019]
Evolução da sífilis: quando se deve buscar ajuda
Entenda como a sífilis evolui e saiba quando procurar ajuda
[18/01/2019]
Cientistas desenvolvem molécula que pode tratar insuficiência cardíaca
A Samba foi desenvolvida por pesquisadores da USP nos últimos dez anos, e o teste em ratos se mostrou promissor para ajudar pacientes que sofrem da doença.
[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita

+ mais   


Qual a relação entre hipertensão e diabete?


04/07/2016


As duas doenças se associam para prejudicar os vasos

A bem da verdade, até dá pra dizer que o diabete colabora para a pressão alta se instaurar. A resistência à insulina, condição típica do diabético tipo 2, é uma falha no organismo que dificulta o acesso das células à glicose circulante. Aí um monte de açúcar fica sobrando no sangue. Esse fenômeno contribui para as artérias se enrijecerem, o que está por trás do aumento da pressão.

Tem outro mecanismo perigoso nessa história. Quando há glicose demais dando sopa, o pâncreas entende que precisa trabalhar dobrado para reduzir a presença dessas moléculas na circulação. Para isso, manda ver na produção de insulina. Essa carga pesada de hormônio desanda o trabalho do sistema nervoso simpático, destrambelhando batimentos cardíacos e estimulando a contração exagerada dos vasos. De novo a hipertensão sai ganhando.

Diante do maior risco de sofrer infarto ou AVC, os diabéticos são orientados a redobrar os cuidados com a pressão – é ainda mais importante que eles não ultrapassem os 14 por 9.

Para ajudar na tarefa, nutricionistas pedem atenção extra dessa turma, insistindo para economizar não só na ingestão de doce mas também na de sódio. Lembrando que o mineral está presente, por exemplo, em biscoitos recheados e no refrigerante zero. Ou seja, não dá para se fiar apenas no conselho de olhar a carga de açúcar ou carboidrato na embalagem.


Fonte: MdeMulher



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato