Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Pesquisadores afirmam ter descoberto um jeito de reverter a menopausa


26/07/2016


Eles desenvolveram uma técnica que visa estimular os ovários a voltarem a produzir óvulos

Para algumas mulheres, a menopausa começa mais cedo, com óvulos fertéis parando de ser produzidos antes dos 50 anos - e, ás vezes, até mesmo antes de chegarem aos 40 anos. Um estudo de pesquisadores gregos afirma ter descoberto como reverter esse processo, estimulando os ovários a voltar a produzir óvulos. A pesquisa, liderada pelo ginecologista Konstantinos Skafianoudis, foi apresentada em encontro da Sociedade Europeia de Embriologia e Reprodução Humana.

Caso seja confirmada sua eficácia, a técnica poderá revolucionar o tratamento de fertilidade em mulheres. Ela consiste em injetar nos ovários plasma enriquecido com plaquetas (PRP), geralmente usado na recuperação de ossos e tecidos. De acordo com os pesquisadores, dessa forma, os ovários seriam estimulados a produzir óvulos. Eles afirmam que o tratamento foi testado em 30 mulheres, entre 46 e 49 anos, na menopausa, tendo sido eficaz em quase 70% delas. Os pesquisadores ainda não conseguem afirmar como o PRP age exatamente para estimular a produção de óvulos, no entanto.

A descoberta ajudaria não apenas mulheres que gostariam de engravidar, mas também as que sofrem com complicações da menopausa precoce e recorrem à reposição hormonal. O estudo ainda deverá ser revisto, e especialistas apontam para supostas falhas no método da pesquisa, como a ausência de testes com animais antes de executar o tratamento em humanos, o que é recomendado para estudos de saúde.


Fonte: MdeMulher



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato