Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.
[01/11/2018]
Bastam 10 minutos de exercício para cérebro ficar mais 'inteligente'
Estudo mostra que mesmo uma caminhada lenta faz com que neurônios ligados à aprendizagem tenham função aprimorada

+ mais   


Refluxo provoca sensação de azia, queimação e mal-estar


08/08/2016


Tratamento pode ser feito com mudanças de hábitos na alimentação diária

A famosa sensação de queimação no estômago, popularmente chamada de azia (pirose), é reflexo de uma das doenças mais comuns ligadas a digestão: o refluxo gastro-esofágico (DRGE). Embora tenha um nome pouco popular, o distúrbio é o motivo mais frequente de consultas ao gastroenterologista. O DRGE consiste basicamente no refluxo do conteúdo presente no estômago para o esôfago.

O problema é causado pela incapacidade de uma espécie de válvula (esfincter), que se abre para o alimento passar para o estômago, de reter o que foi ingerido e os sucos gástricos no interior do órgão, o que acaba provocando o vômito, azia, ardor, queimação e mal-estar. Em casos mais graves e raros, o DRGE pode provocar problemas respiratórios.


• Sintomas da doença

O DRGE é desencadeado por fatores que geralmente passam por banais e corriqueiros, como os excessos cometidos diante de uma refeição saborosa. Molhos condimentados, bebidas álcoolicas, cigarros e obesidade complementam os gatilhos que favorecem o aparecimento da doença.

De acordo com o gastroenterologista Ricardo Blanc, a azia, principal sintoma do DRGE, não é um fator determinante para diagnosticar o problema, a menos que a frequência das ocorrências sejam grande. Segundo o profissional, geralmente ela aparece quando você come demais. O descontrole diante do prato, neste caso, provoca a irritação da mucosa que causa a queimação. No entanto, se a sensação for habitual, é necessário tomar cuidado, pois ela pode facilitar o surgimento de feridas no esôfago. O diagnóstico do DRGE é feito a parir de uma endoscopia.


• Complicações

Segundo Blanc, o contato prolongado da mucosa do esôfago com o suco gástrico refluído pode provocar feridas superficiais. Em casos menos frequentementes, é possível o surgimento de úlceras ou até estenose (estreitamento na parte inferior do estômago). As lesões do esôfago podem levar a sangramento crônico, provocando anemia. Em algumas situações, a inflamação crônica pode até facilitar o aparecimento de câncer no esôfago.


• Tratamentos

O combate da DRGE pode ser feito com medicamentos e mudanças de hábitos na rotina de quem sofre com o problema. O cigarro deve ser evitado, pois ele diminui a proteção da mucosa do estômago. Frituras, chocolates, molho de tomate, cebola, entre outros, devem ficar fora do cardápio, pois estes alimentos não são de fácil digestão. A sonequinha depois da refeição não é estimulada, assim como fazer esforço quando o estômago estiver cheio. Ambas as situações favorecem o refluxo.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato