Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Estatina pode diminuir o risco de pancreatite, afirma estudo


23/08/2012


Uma pesquisa desenvolvida na Universidade de Glasgow, na Grã-Bretanha, mostrou que um tratamento à base de estatina, medicamento que controla os níveis de colesterol no sangue, pode reduzir o risco de pancreatite. que é um processo inflamatório que ocorre no pâncreas. Essa conclusão vai contra resultados de outros estudos menores que indicaram que os hopolipemiantes, ou seja, os agentes que interferem nas taxas de colesterol, elevam essas chances. O trabalho, feito com mais de 150.000 participantes, foi publicado nesta quarta-feira no periódico The Journal of the American Medical Association (JAMA).

No artigo, os autores explicam que costuma-se recomendar tratamentos com fibratos, que agem nos níveis de triglicérides no sangue, para que pacientes com hipertrigliceridemia reduzam o risco de pancreatite. “No entanto, os fibratos podem levar ao desenvolvimento de cálculos biliares (pedra na vesícula), que é outro fator de risco para a pancreatite”, escreveram os pesquisadores.

Dados — A equipe analisou 21 estudos sobre estatina e sete sobre fibratos. Os resultados indicaram que a estatina reduziu de 18% a 21% o risco de pancreatite em pacientes com níveis normais ou ligeiramente elevados de triglicérides, mas não foi observada diminuição significativa dessas chances em relação aos fibratos. De acordo com a equipe, próximas pesquisas devem determinar qual é a melhor opção para evitar a pancreatite em pacientes com hipertrigliceridemia grave.

“Nossa análise levanta questões sobre quais agentes devem ser escolhidos para reduzir o risco de pancreatite. Observamos que a estatina é melhor do que os fibratos para pessoas que tem níveis normais ou um pouco elevados de triglicérides”, escreveram os autores. “Mudanças no estilo de vida, porém, também são essenciais para melhorar taxas de colesterol e triglicérides nesses indivíduos”.

Fonte: www.veja.abril.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato