Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Quando a secreção vaginal indica que há algo errado?


14/10/2016


Carolina Ambrogini, ginecologista e sexóloga da Universidade Federal de São Paulo, responde às dúvidas mais frequentes sobre sexo e saúde.

A maioria das mulheres confunde secreção vaginal com corrimento (secreção patológica). Costumo dizer que só crianças e idosas não têm secreção na calcinha! Todas as outras têm – e é perfeitamente normal. Um sinal, aliás, de que os hormônios estão funcionando. Muitas mulheres se sentem incomodadas com esta secreção, mas ela, além de ser normal, pode te indicar várias coisas do seu próprio corpo.

A secreção vaginal é resultado da ação dos hormônios (estrogênio e progesterona) sobre as células vaginais, que produzem o muco e varia de acordo com a época do ciclo menstrual. Funciona mais ou menos assim:

º Após a menstruação, há predomínio do estrogênio, portanto, a secreção fica clara. Tem mulheres que ficam com resquícios de sangue por mais tempo, por isso, a secreção pode ficar mais espessa e um pouco amarelada, mas sem odor.

º No período ovulatório, o muco fica bem fluido e claro, tipo clara de ovo. Às vezes, podem aparecer uma geleca clarinha. É este excesso de muco que facilita a entrada dos espermatozóides no útero

º Depois dessa fase, predomina a progesterona (conhecido como o hormônio da gravidez, já que seus níveis aumentam durante os nove meses) e a secreção vaginal fica grossa e esbranquiçada.

Mas, como sei (afinal, sou mulher!), também surge amarelada na calcinha. O motivo? Por conta da ação dos leucócitos, nossas células de defesa. Elas ficam ali na região exatamente para nos defender e fazer uma faxina nas inúmeras células que descamam e morrem. A secreção amarelinha é típico das mulheres sexualmente ativas – já que o organismo delas está em contato com as células do parceiro (ou parceiros).

É natural ficar na dúvida se algo está errado. Na dúvida, cheire sua calcinha, porque o odor pode sinalizar muitas coisas importantes. Se lembrar a peixe estragado, por exemplo, marque uma consulta com o gineco imediatamente. Vale lembrar que esse cheiro piora durante a menstruação e após a relação sexual.

Outros sinais para ficar esperta: secreção amarelo-esverdeada ou em pedacinhos, parecendo "nata de leite", coceira e ardência na região. Podem indicar uma série de doenças, que só um exame ginecológico irá diagnosticar.

Quem usa pílula ou qualquer outro contraceptivo hormonal fica com a secreção sempre igual à segunda fase, ou seja, espessa e esbranquiçada (ou amarelinha). Idem na gestação, porém, em maior quantidade ainda.

A mensagem mais importante é: conheça a si mesma! O que inclui observar a sua secreção para saber se está tudo bem e identificar o seu padrão. Não tem por que termos nojo do nosso próprio corpo.


Fonte: MdeMulher



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato