Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[18/01/2019]
Cientistas desenvolvem molécula que pode tratar insuficiência cardíaca
A Samba foi desenvolvida por pesquisadores da USP nos últimos dez anos, e o teste em ratos se mostrou promissor para ajudar pacientes que sofrem da doença.
[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita
[09/01/2019]
Exercícios impedem avanço do Alzheimer


+ mais   


3 mitos sobre o DIU


18/10/2016


Estamos falando de um dos métodos anticoncepcionais mais eficazes, mas que ainda é visto com desconfiança pela maioria das mulheres

Dispositivos anticoncepcionais intrauterinos: daí vem a sigla DIU. Para quem nunca ouviu falar, trata-se de um método reversível de longa duração — seu efeito se estende de cinco a dez anos. São dois tipos: o de cobre, sem hormônio, e o com progesterona. Embora tenham vantagens consideráveis - são uma opção para quem, por exemplo, precisa evitar a pílula ou quer uma solução mais prolongada - vêm carregados de mitos que o afastam da população. Desmistificamos alguns na sequência:


1- Quem nunca teve filho não pode usar o DIU

Isso não é verdade. O DIU não está associado à infertilidade, nem atrapalha uma futura gravidez, assegura o ginecologista Agnaldo Lopes Silva Filho, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Segundo o médico, depois de retirá-lo, dá para conceber um bebê imediatamente.


1- Quem nunca teve filho não pode usar o DIU

Isso não é verdade. O DIU não está associado à infertilidade, nem atrapalha uma futura gravidez, assegura o ginecologista Agnaldo Lopes Silva Filho, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Segundo o médico, depois de retirá-lo, dá para conceber um bebê imediatamente.


3- A mulher que usa DIU está mais sujeita a infecções

Existe um tabu porque, no passado, o método aumentava o risco de doença pélvica inflamatória. Mas hoje em dia isso não ocorre, explica Lopes. Se não houver nenhuma condição preexistente, os riscos são mínimos. Estudos indicam que 7 em cada 100 mulheres podem vir a apresentar problemas como rejeição ao DIU — que afinal de contas, não deixa de ser um corpo estranho inserido no útero.


Fonte: MdeMulher



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato