Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[20/07/2018]
Sete casos de sarampo são confirmados no Estado
Todos os episódios têm ligação com a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi registrado o primeiro caso da doença
[16/07/2018]
Doença sexualmente transmissível pouco conhecida se alastra e alarma médicos
Infecção bacteriana mycoplasma genitalium causa dores, secreções e, no caso das mulheres, pode levar à infertilidade
[06/06/2018]
Tratamento experimental curou câncer de mama em estágio avançado
O câncer, que já tinha se espalhado pelo corpo, foi derrotado pelas células da própria paciente – que foram colhidas, selecionadas, multiplicadas e reinjetadas
[04/06/2018]
Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde
OMS lança compromisso para diminuir falta de atividade física no mundo em 15% até 2030. Inatividade onera assistência em US$ 54 bilhões anuais, diz entidade.

+ mais   


Pedra na vesícula: conheça os fatores de risco e como prevenir


25/10/2016


Ser mulher e ter histórico familiar são fatores que aumentam as chances de desenvolver o problema


Colelitíase, popularmente conhecida como pedra na vesícula, é uma doença que acomete cerca de 10% da população. Neste texto vamos abordar aspectos relacionados aos cálculos de colesterol, que são os mais prevalentes.

A bile é composta basicamente por colesterol, sais biliares e bilirrubina. Quando ocorre um desequilíbrio entre os fatores que mantém a solubilidade da bile temos a formação de cristais de colesterol em um gel, que se acumula pela redução da motilidade da vesícula biliar, formando assim os cálculos de colesterol.


• Fatores de risco

Os fatores de risco para o desenvolvimento de cálculos biliares habitualmente estão relacionados à secreção biliar de colesterol aumentada e de sais biliares reduzida, ou com a diminuição da motilidade da vesícula biliar. Entre estes fatores de risco podemos citar:


- História familiar (alguns genes, por exemplo, podem reduzir a concentração de substâncias responsáveis por inibir a formação de cálculos na bile)

- Sexo feminino (maior secreção biliar de colesterol)

- Idade avançada (secreção biliar de colesterol aumentada e menor síntese de sais biliares)

- Alta ingesta calórica

- Poucas fibras na dieta

- Emagrecimento rápido (maior secreção biliar de colesterol e aumento na secreção biliar de mucina e cálcio)

- Consumo de carboidratos refinados (açúcar, farinha branca etc.)
Sedentarismo

- Jejum prolongado (redução da motilidade da vesícula biliar)

- Gravidez (maior secreção biliar de colesterol, com redução da motilidade da vesícula biliar por causa da progesterona)

- Uso de contraceptivos orais (nos primeiros anos em que são usados) e outros medicamentos como clofibrato, ceftriaxone e octreotide

- Obesidade (maior secreção biliar de colesterol)

- Síndrome metabólica

- Terapia de reposição de estrogênio (secreção biliar de colesterol aumentada e menor síntese de sais biliares)


• Prevenção

Na prevenção da formação de cálculos biliares, pode-se fazer algumas observações:

- Em um estudo científico foi observado que a deficiência de vitamina C em mulheres aumentou a chance de formação de cálculos

- O uso de estatinas (medicações usualmente indicadas para tratamento de dislipidemias - por
exemplo, colesterol LDL elevado - e para redução de risco cardiovascular) está associado a um risco menor da doença

- O consumo regular de café, vegetais e oleaginosas (castanha, nozes e amêndoas) também oferece alguma proteção

- Em algumas situações, como em pacientes obesos que estão emagrecendo rapidamente, pode-se usar o ácido ursodesoxicólico na prevenção da formação de cálculos biliares.



Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato