Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Neurologista explica causas e tratamento para aneurisma e AVC


16/02/2017


Recentemente a ex-primeira dama Marisa Letícia, esposa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, morreu em decorrência de um aneurisma cerebral que havia sido diagnosticado há dez anos. Desde então, muito tem se falado sobre a doença, suas causas e implicações. O neurologista Tarsis Leonardo conversou com o Acorda Cidade e explicou mais detalhes sobre a doença, suas causas e formas de tratamento.

De acordo com o médico, o aneurisma cerebral acontece devido a uma má formação do vaso intracerebral e quando existe uma dilatação anormal do vaso. Essa alteração, no entanto, faz com que ele fique mais frágil e possa se romper com facilidade e de forma ocasional. Ele revelou que o desenvolvimento da doença pode ocorrer de forma espontânea e diversos fatores podem implicar no seu surgimento.

Existem pessoas que tem pré-disposição para isso. Parece existir uma pré-disposição familiar, inclusive, para se ter o aneurisma. Alguns fatores de risco ligados à questão da qualidade de vida, como o tabagismo e hipertensão, podem aumentar o risco do aneurisma. As idades mais avançadas são as mais predispostas a desenvolver, mas podem existir também pacientes jovens, principalmente pacientes que têm algumas doenças genéticas. Entretanto, é bem mais comum em pacientes mais idosos, salientou.

Sintomas

Sobre os sintomas que ajudam a identificar o aneurisma cerebral, Tarsis Leonardo observou que esses podem variar e a doença pode apresentar-se de forma assintomática, especialmente se o aneurisma não estiver rompido. Quando há rompimento, o paciente pode apresentar fortes dores de cabeça, crises convulsivas, desmaios e rebaixamento de consciência.

No caso de rompimento, o médico observa que são situações na maioria das vezes graves, que necessitam de hospitalização rápida.

O diagnóstico do aneurisma, segundo o neurologista, às vezes, é feito de forma incidental e através de exames de imagem e de rotina para averiguar outras situações. Além disso, o diagnóstico acontece também quando o paciente relata os sintomas associados de cefaleia, baixa consciência e convulsões.

O médico explicou ainda como é feito o tratamento. Existem duas modalidades: a cirurgia, em que o crânio é aberto e colocamos um clipe, e também uma modalidade nova, um tipo de cateterismo, que coloca estruturas metálicas e molas para fechar o aneurisma por dentro e que é chamado de embolização. A embolização não é feita em Feira de Santana, aqui é feito somente o método da clipagem, destacou.

O neurologista acrescentou ainda que, quando o paciente tem o rompimento do vaso e há sangramento no cérebro, ele poderá ficar com sequelas. Quando o paciente é detectado sem o rompimento do vaso e ele passa pela embolização ou pela cirurgia aberta, ele pode ficar muito bem de saúde, estabilizar o problema e seguir a vida normal.

AVC isquêmico e hemorrágico

Tarsis Leonardo observou também que o aneurisma é um subtipo de AVC hemorrágico, quando há extravasamento de sangue para o interior do cérebro. Existem também os AVCs isquêmicos, que são aqueles que provocam a obstrução do vaso e fazem com que o paciente tenha dificuldades motoras e na fala.

Ele recomendou que a melhoria da qualidade vida é um fator de prevenção do aneurisma e do AVC. Hábitos saudáveis atrelados a não fumar, controle da pressão arterial e diabetes são fatores que ajudam o paciente a ter mais saúde e a não desenvolver uma série de doenças.

FONTE: iBahia



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato