Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Saúde do Coração


10/09/2012


A exposição a um composto químico utilizado na fabricação de produtos domésticos comuns, como lubrificantes, ceras, revestimentos de papel e embalagens de alimentos (de pipocas de micro-ondas, por exemplo), pode desencadear doenças cardiovasculares, segundo um estudo da Universidade de West Virgínia, nos Estados Unidos. Trata-se do ácido perfluoro-octanóico, que, conforme o artigo, está presente na corrente sanguínea de 98% da população americana. Os resultados foram publicados nesta segunda-feira no periódico Archives of Internal Medicine.

s autores desse estudo selecionaram 1.216 pessoas que estavam inscritas no Observatório Nacional de Exames em Saúde e Nutrição (Nhanes, na sigla em inglês) entre 1999 e 2004. Eles descobriram que existe uma relação direta entre maiores níveis do composto químico no sangue dos participantes e incidência de doenças cardiovasculares. A associação foi observada mesmo após serem levados em consideração fatores como idade, sexo, peso, pressão arterial e taxa de colesterol na corrente sanguínea.

"Nossos resultados contribuem para as evidências crescentes de que o ácido perfluoro-octanóico prejudica a saúde. No entanto, como o estudo foi observacional, não podemos determinar se essa relação foi causal", escreveram os autores. Segundo ele, é muito importante identificar novos fatores de risco para as doenças cardiovasculares, por representarem um grande problema de saúde pública.

"Faria sentido eliminar ou limitar o uso do ácido perfluoro-octanóico na indústria por meio da legislação e regulação, e melhorar as técnicas de purificação da água", disse Debrabata Mukherjee, do Centro de Ciência e Saúde da Universidade Texas Tech, que não participou do estudo.

Fonte: www.veja.abril.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato