Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Bebê nasce após embrião ter sido congelado por 24 anos


20/12/2017


Uma mulher do Tennessee, EUA, deu à luz um bebê em 25 de novembro, comunica o serviço Standard Newswire. Poderia ser um nascimento comum se o embrião não tivesse sido congelado por 24 anos.

Emma, a bebê, foi congelada em 14 de outubro de 1992, e degelada pelo diretor do laboratório NEDC, Carol Sommerfelt, em 13 de março de 2017. O embrião foi implantado em Tina Gibson por meio do procedimento de transferência de embrião congelado (FET em inglês). Isto faz de Emma a recordista do mundo por permanecer em criopreservação pelo período mais longo de sempre.

"Emma é um milagre", disse o seu pai, Benjamin Gibson. "Acho que é perfeita depois de ter sido congelada por tanto tempo".

De acordo com a mãe, ela não pensava em ganhar o recorde científico mundial quando decidiu fazer este procedimento. "Somente queria um bebê. Não me importa se é recorde mundial ou não", disse ela aos repórteres do Standard Newswire.

Contudo, alguns cientistas questionam este recorde. Zaher Merhi, diretor do Centro de Fertilidade de Nova Esperança disse que as empresas norte-americanas não são obrigadas a comunicar ao governo a idade do embrião usado, mas somente o resultado da gravidez.

Os médicos que fizeram o procedimento defendem o seu recorde, embora admitam que, se não foi embrião mais velho, ele era, sem dúvida, um dos mais velhos.

Fonte: Jornal do Brasil



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato