Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[06/06/2018]
Tratamento experimental curou câncer de mama em estágio avançado
O câncer, que já tinha se espalhado pelo corpo, foi derrotado pelas células da própria paciente – que foram colhidas, selecionadas, multiplicadas e reinjetadas
[04/06/2018]
Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde
OMS lança compromisso para diminuir falta de atividade física no mundo em 15% até 2030. Inatividade onera assistência em US$ 54 bilhões anuais, diz entidade.
[01/06/2018]
Cientistas produzem córnea humana usando impressora 3D
Trata-se apenas da demonstração da tecnologia, sem qualquer teste clínico ou em animais, mas com potencial para a produção indefinida de córneas
[25/05/2018]
Saiba qual a real gravidade do ebola e a chance do vírus chegar ao Brasil
Doença é altamente contagiosa sendo transmitida, inclusive, após a morte da pessoa infectada; República Democrática do Congo passa por epidemia

+ mais   


rimeiro homem a fazer dois transplantes de rosto mostra resultado de cirurgia


18/04/2018


Jérôme Hamon (43) já teve três faces. Ele é o primeiro homem do mundo a ter passado por dois transplantes de rosto, e aceitou imediatamente sua nova aparência, sua nova "identidade". O francês tem neurofibromatose tipo 1 (doença de von Recklinghausen), uma deficiência genética que deformou o seu rosto.

Ainda hospitalizado, três meses depois de sua operação em Paris, ele apareceu com uma face lisa e imóvel, que não combina com as características de seu crânio. Essa adaptação deve ocorrer gradualmente, desde que o tratamento imunossupressor seja seguido, prevenindo novas rejeições.

Ele disse que está cansado do tratamento pesado que precisa passar. Hamon consegue falar, mas com dificuldade.

O feito médico sem precedentes é creditado à equipe do Prof. Laurent Lantieri, cirurgião plástico especialista em transplantes do Hospital Europeu Georges-Pompidou, da rede pública de Paris. Lantieri já havia feito, no mesmo paciente, um primeiro transplante facial total, em 2010, no Hospital Henri-Mondor, em Créteil, próximo a Paris.

Verme marinho

O primeiro transplante foi um sucesso, como ele disse em um livro publicado em abril de 2015: "Você viu o senhor?". Infelizmente, no mesmo ano, por ocasião de um resfriado comum, ele foi tratado com um antibiótico incompatível com seu tratamento imunossupressor.

Em 2016, ele começou a mostrar sinais de rejeição crônica, e o rosto foi novamente se deteriorando.

No verão de 2017, ele foi hospitalizado e, em novembro, sua face enxertada, que possuía áreas de necrose, precisou ser removida. Ele permaneceu, então, dois meses "sem rosto" em terapia intensiva no Georges-Pompidou, o tempo que a agência da biomedicina procurava um doador compatível. Momentos difíceis de viver, com uma face que se autodestruía.

O doador de rosto foi um jovem de 22 anos, que morreu a centenas de quilômetros de Paris. O professor Lantieri ficou sabendo em uma noite de domingo, 14 de janeiro deste ano, o que desencadeou uma grande logística.

Com o aval da Agência Nacional de Segurança de Medicamentos (ANSM), uma técnica revolucionária foi utilizada para a preservação do enxerto: além de permanecer imerso em uma solução clássica, este beneficiou-se das propriedades da hemoglobina de verme marinho para reter oxigênio.

Em seguida, foi como colocar delicadamente uma máscara, conectando-a com a complexa anatomia da cabeça. Logo, a equipe observou que o enxerto mostrava sinais encorajadores de vida por ficar manchado.

O paciente saiu do bloco na terça-feira, 16 de janeiro, no final da manhã, após uma operação excepcional.

Segundo o cirurgião, a operação respondeu a uma pergunta dos pesquisadores na área: Podemos refazer um transplante facial? Sim, podemos retransplantar, e é isso que conseguimos", explicou o professor Lantieri.

Para evitar uma rejeição, a operação exigia "limpar o sangue dos anticorpos", por uma plasmaferese e "bloquear a produção desses anticorpos" por tratamento com drogas durante "os três meses anteriores ao transplante", detalhou Eric Thervet, nefrologista.

Já houve 40 enxertos faciais no mundo desde o primeiro, o da francesa Isabelle Dinoire em 2005.

Fonte:G1 Globo



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato