Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo


12/11/2018


Um exame que dura apenas cinco minutos e é indolor pode ser responsável por prever o risco de demência em pacientes anos antes que a doença comece a se desenvolver e apresentar sintomas. Com a ajuda de um aparelho de ultrassom que analisa vasos sanguíneos do pescoço, cientistas analisaram e monitoraram mais de 3 mil participantes por 15 anos, encontrando relação entre a doença e pulsações arteriais mais fortes.

Segundo o estudo conduzido pela University College London (UCL) a partir de 2002, pessoas que apresentam uma pulsação mais forte no pescoço têm maior predisposição a apresentar declínio cognitivo, um dos indicativos de demência — de acordo com o que mostraram os participantes analisados no estudo. Seguindo o resultado, os cientistas esperam que o exame possa funcionar sistematicamente como uma forma de prevenir a doença.

Uma pulsação arterial mais forte é responsável por um dano maior aos vasos sanguíneos, de acordo com o estudo. Cerca de um quarto dos 3.191 participantes tinham pulsação arterial acima do comum — todos eles tiveram um declínio cognitivo 50% maior que o restante dos examinados. Isso representa cerca de um ano e meio a mais de declínio que o normal. Um dos pesquisadores envolvidos, no entanto, lembrou que a demência é um resultado combinado.

— A demência é o resultado final de décadas de danos, então quando as pessoas têm a doença, já é tarde para fazer qualquer coisa. O que estamos tentando afirmar é que é preciso identificar o quanto antes aqueles que estão no grupo de risco e tratá-los — disse Scott Chiesa, da UCL, à BBC.

Para prevenir a doença, é preciso ter uma dieta saudável, fazer exercícios regularmente, além de ter uma pressão sanguínea e níveis de colesterol controlados. O próximo passo é usar exames de ressonância magnética para identificar mudanças estruturais nos cérebros das pessoas com predisposição à demência.

Carol Routledge, diretora no Alzheimer's Research UK, afirmou que ainda não era possível cravar que os exames de ultrassom contemplados no estudo poderiam ajudar no diagnóstico, no entanto.

— O que temos certeza é que a vascularização no cérebro é incrivelmente importante, e que manter uma pressão cardíaca e sanguínea saudável está associada a um risco menor de desenvolver demência — disse ela à BBC.

Fonte: O Globo



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato