Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[18/01/2019]
Cientistas desenvolvem molécula que pode tratar insuficiência cardíaca
A Samba foi desenvolvida por pesquisadores da USP nos últimos dez anos, e o teste em ratos se mostrou promissor para ajudar pacientes que sofrem da doença.
[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita
[09/01/2019]
Exercícios impedem avanço do Alzheimer


+ mais   


Acúmulo de gordura ajuda a agravar o câncer de próstata


02/10/2012


Pesquisadores encontraram uma forma de explicar como o excesso de peso afeta negativamente a progressão e a gravidade do câncer de próstata. Segundo a equipe, formada por especialistas de vários países, a gordura acumulada em torno da próstata de homens com obesidade ou sobrepeso que têm a doença cria um ambiente favorável para que os tumores cresçam e se espalhem. Isso ocorre, de acordo com os especialistas, pois o tecido adiposo desses pacientes desregula a atividade de determinados genes que, entre outras funções, estão ligados a quadros de inflamação crônica, de expansão da massa de gordura e de reprodução de células cancerígenas.

Essas descobertas fazem parte de um estudo publicado nesta terça-feira no periódico BMC Medicine. A pesquisa também concluiu que, quanto mais avançada é a doença da próstata, mais grave é a desregulação sofrida pelos genes do tecido adiposo que fica em torno do órgão. A equipe chegou a tais conclusões após analisar a gordura da próstata de pacientes que haviam sido submetidos a uma cirurgia no órgão. Os participantes tinham hiperplasia benigna da próstata, câncer localizado ou a doença em fase metastática.

"Em uma população cada vez mais obesa, é importante entender como a gordura, especialmente a localizada ao redor da próstata, pode influenciar o crescimento e a gravidade do câncer. Com isso, será possível desenvolver novas e personalizadas estratégias terapêuticas”, afirma Ricardo Ribeiro, pesquisador do Instituto Português de Oncologia di Porto e coordenador da pesquisa.

Fonte: www.veja.abril.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato