Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Saúde oficializa acordo para produzir remédio para a Aids no Brasil


30/11/2012


O Ministério da Saúde oficializou nesta sexta-feira (30) uma parceria com uma farmacêutica norte-americana para produzir no Brasil o sulfanato de atazanavir, um antirretroviral importante no tratamento da Aids.

Com a parceria, o medicamento registrado pela Bristol-Myers Squibb passará a ser produzido nos laboratórios do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, que é ligado ao governo federal.

O acordo de transferência de tecnologia oficializado agora já tinha sido firmado em 2011. A partir de 2013, os medicamentos produzidos em território nacional serão distribuídos na rede pública. Hoje, o Ministério da Saúde já distribui o remédio para cerca de 45 mil pacientes, mas o produto é importado.

Segundo o Ministério, a economia obtida com a parceria vai chegar a R$ 81 milhões por ano. O acordo inclui a distribuição de medicamentos por parte da farmacêutica norte-americana nos próximos cinco anos, enquanto Farmanguinhos aumenta gradativamente sua produção. A partir de 2017, a indústria brasileira deve ser capaz de suprir toda a necessidade do país.

Vendida hoje com o nome comercial de Reyataz, a droga é classificada como um antirretroviral inibidor de protease, um tipo de remédio que impede que vírus amadureça e infecte outras células. O medicamento é indicado para o início do tratamento contra o HIV.


Fonte: G1



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato