Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Boa relação com o médico aumenta tolerância à dor


04/12/2012


A relação entre médico e paciente baseada em empatia e confiança não só é fundamental para que o paciente se sinta à vontade durante a consulta, mas também altera a sua resposta ao stress e aumenta a sua tolerância à dor. Foi o que concluíram pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, em um trabalho publicado na última edição do periódico Patiente Education and Counseling.

De acordo com Issidoros Sarinopoulos, professor de radiologia e coordenador da pesquisa, estudos recentes vêm demonstrando que médicos mais atenciosos e cuidadosos têm pacientes mais felizes e com melhores quadros de saúde. No entanto, ele explica, o mecanismo biológico responsável por isso ocorrer era, até então, desconhecido. “Nosso estudo é o primeiro a analisar essa relação a partir de um ponto de vista neurobiológico”, diz.

A pesquisa de Sarinopoulos selecionou nove pacientes do sexo feminino. Elas foram divididas aleatoriamente entre dois tipos de consulta médica. Em um dos tipos, a consulta tinha abordagem centrada no paciente, o médico permitiu que ela falasse sobre qualquer preocupação ou dúvida e também fez perguntas sobre família, trabalho e outros fatores psicológicos e sociais que afetam a saúde. Na outra consulta, as pacientes foram questionados apenas sobre aspectos clínicos específicos, como sobre quais remédios estavam tomando e histórico médico.

Após a consulta, as participantes responderam a um questionário sobre a consulta para que os pesquisadores avaliassem a diferença entre cada tipo de abordagem. As mulheres que passaram pela consulta focada no paciente relataram maior satisfação e afirmaram sentir mais confiança nos médicos do que as outras participantes.

Atividade cerebral — Depois, as mulheres que passaram pela consulta centrada no paciente foram submetidas a uma ressonância magnética. Durante o exame, elas receberam uma série de choques elétricos cuja sensação é semelhante à de pontadas de agulha. Elas também ficaram de frente a, hora uma foto do médico que havia lhe atendido antes do exame, hora uma foto de um médico desconhecido. Com isso, os pesquisadores queriam descobrir de que forma a imagem de um profissional de confiança interfere na atividade cerebral em situações como essa.

Os resultados mostraram que a atividade de uma região do cérebro responsável por deixar a pessoa consciente da dor foi menor quando as pacientes olhavam para a foto do médico conhecido. Os relatos das próprias participantes confirmaram essas conclusões: após os exames, elas afirmaram ter sentido menos dor nos momentos em que olhavam para o médico conhecido.

Para Sarinopoulos, como a amostra dessa pesquisa foi pequena, é preciso que esses resultados sejam confirmados em um estudo de escala maior. “Mesmo assim, esse já é um bom primeiro passo para colocar peso científico na hora de defender que os médicos construam uma relação de empatia e confiança com seus pacientes”, diz o pesquisador. "É importante para os médicos e outros profissionais saberem que há uma explicação biológica para que isso seja defendido."


Fonte: Veja



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato