Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Calor aumenta os casos de pressão baixa


07/12/2012


A estação mais quente do ano, pode provocar desconforto em algumas pessoas. Devido as altas temperaturas, o funcionamento do corpo pode ter variações, entre elas a queda da pressão arterial - força que o fluxo sanguíneo exerce nas paredes das artérias. “O calor causa dilatação dos vasos sanguíneos, o que abaixa a pressão, e pode também causar certo grau de desidratação, contribuindo para um mal-estar ainda maior”, ressalta o cardiologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Alexandre Alessi.

Os sintomas mais comuns na pressão baixa é a sonolência nos dias mais quentes, podendo evoluir para tonturas, principalmente ao levantar, e até mesmo desmaios. Sendo mais comum em jovens, com tendência a normalização dos níveis na idade adulta.

“Em geral, as causa da queda de pressão estão ligados à falta de ventilação nos ambientes, desidratação, realização de movimentos bruscos, como: levantar-se muito rápido ao acordar, e alguns fatores ambientais, como calor excessivo e dias abafados”, destaca o Dr. Alessi.

A queda pode estar ligada também, a fatores emocionais de estresse e ansiedade, pois nesses momentos a pessoa tende a respirar mais profundamente e com rapidez, causando a redução do índice de gás carbônico no sangue. E, consequentemente, ocorre a queda de pressão. “Quando há uma diminuição do fluxo saunguíneo, o cérebro pode sofrer uma carênciade sangue, ocasionando o desmaio”, alerta Dr. Alessi. Se o nível da pressão baixa se agravar, pode levar a um choque e até mesmo à morte.

Os hipotensos não devem descuidar da hidratação, consumindo, no mínimo, dois litros de água ao dia. Atividade física regular também é um bom aliado. “Pessoas com pressão baixa devem evitar permanecer em ambientes fechados, pouco ventilados e com aglomeração”, efantiza o especialista.

A pressão considerada normal segundo a cardiologista, tanto em mulheres quanto a homens, não deve ultrapassar 135/85mmHg. “Os níveis inferiores dependem dos sintomas do paciente. Aqueles que apresentam pressão arterial de 90/60mmHg (considerada baixa) mas, que não tenham sintomas, não precisam tomar nenhuma providência”, afirma. Ao contrário, aponta a médica, a pressão alta é uma doença crônica e que precisa de um tratamento permanente.

Como evitar?

-Para evitar queda de pressão arterial, que causa um mal-estar não espereado, é necessário ficar atento a algumas recomendações:
-Não permaneça por longo tempo em lugares quentes, inclusive bannhos quentes;
-Não utilizar roupas quentes, que causem sensação de calorão;
-Evitar mudança de habitos alimentares, somandoa atividade física e perda de peso;
-Ter um dieta saudável, com muitas frutas e verduras, além de ingerir bastante líquido;
-Praticar exercícios físicos regularmente e manter o peso dentro dos padrões saudáveis;
-Não fumar;
-Em momentos de ansiedade deve-se tomar água para hidratar o corpo;
-Beber bastante liquido durante os exercícios físicos e evitar mudanças bruscas de posição;


Fonte: imprensa@hnsg.org.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato