Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Saiba como prestar o socorro correto em casos de pequenas emergências


21/12/2012


Atitudes práticas e simples são importantes para se proteger e proteger também parentes e amigos com a chegada do fim do ano. Pequenos acidentes do dia a dia são bastante comuns nessa época que as pessoas costumam ir à praia ou à piscina, principalmente, as queimaduras de sol, água no ouvido e areia nos olhos.

Por isso, é importante saber como agir nesses casos para minimizar os efeitos causados por essas situações, como alertou a pediatra Ana Escobar no Bem Estar desta sexta-feira (21). Com o verão e o calor intenso, muitas pessoas acabam sofrendo com as queimaduras de sol. Nesses casos, a pele deve ser hidratada com um creme ou uma loção pós-sol. Fora isso, a dica é escolher roupas leves e tomar banhos mornos ou frios para evitar dores.

Caso a queimadura faça uma bolha, é importante não estourá-la e procurar um médico porque isso já é sinal de um ferimento mais grave, de segundo grau. Outro problema comum nas piscinas é a água no ouvido, principalmente entre as crianças. A dica, nesse caso, é pingar duas gotinhas de álcool a 70% no ouvido entupido, contar até 20 e dar pequenos pulos para ajudar a desentupir.

O álcool é bom porque elimina as bactérias, esteriliza o local e esquenta, fazendo com que a água evapore. Caso isso não funcione, é importante procurar um médico para avaliar se não é uma otite externa. Na praia, pode acontecer também de aparecerem ciscos ou areia nos olhos – para retirá-los, é recomendado lavar imediatamente com soro fisiológico ou água corrente; nunca tentar tirar, soprar ou coçar.

Torções e topadas também são bastante comuns e a recomendação para essas duas situações é a mesma: colocar gelo e tomar analgésico. No caso da torção, vale avaliar se a pessoa consegue ou não andar; caso consiga, ela pode continuar a vida e procurar um médico caso volte a doer; caso não consiga colocar o pé no chão, é preciso ir a um especialista após o uso do gelo e do analgésico.

A topada, se vier acompanhada de um corte, deve ter cuidados ainda maiores. Os cortes pequenos devem ser lavados com água corrente fria e, se o ferimento estiver sujo, também com sabão.

O gelo também uma medida de primeiro socorro para o caso de nariz sangrando. Geralmente, isso acontece porque um vaso rompeu dentro do nariz e a pessoa deve ficar sentada ou em pé, para evitar que a pressão nesse vaso aumente. Além do gelo, é indicado também o uso de um pouco de gaze ou algodão para tampar a narina e estancar o sangue.

Para os adultos, é também preciso cuidado com a ressaca. No dia seguinte ao uso de bebidas alcoólicas, é ideal se hidratar e, se for o caso, tomar um analgésico para dor de cabeça. Fora isso, é importante ingerir alimentos leves e ter uma boa noite de sono. Dessa maneira, é possível aproveitar o fim do ano sem se preocupar com possíveis acidentes e incômodos que podem atrapalhar os dias de folga.

O Bem Estar desta sexta-feira (21) falou também sobre o fim do calendário maia, que muitos acreditaram que seria o possível fim do mundo. A repórter Marina Araújo foi às ruas descobrir o que as pessoas fariam no último dia delas e as respostas foram diversas.

Segundo o filósofo Mário Sérgio Cortella, existem dezenas de calendários que falam de fim de ciclos e não de fim do mundo e, mesmo assim, é extremamente comum que alguns povos trabalhem com essa ideia de término. Para ele, essa história de fim de mundo é uma ótima opção para as pessoas viverem todos os dias como se fossem os últimos, aproveitando cada momento da vida.

Para o psiquiatra Daniel Barros, as pessoas vivem como se nunca tivesse o término, ou seja, vivem no "automático". Diversas coisas que fazem as pessoas pensar ajudam e a dica do médico para 2013 é fazer um diário das coisas positivas para mudar o foco da vida para a felicidade.


Fonte: G1



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato