Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Hipotireoidismo - Sintomas e Causas


17/04/2013



Causado por uma queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina) pela tireoide, o hipotireoidismo pode provocar fadiga, aumento de peso, intolerância ao frio, ressecamento da pele, queda dos cabelos, aumento das taxas de colesterol e do fluxo menstrual, além de infertilidade e depressão. Estes sintomas, nem sempre estão todos presentes, o que torna necessário pesquisar disfunção tiroidiana diante de qualquer um deles.

Apesar de ainda não ter sido descoberta a razão, segundo a Dra. Valéria Guimarães, as doenças causadas pelo mau funcionamento da tireoide são mais comuns no sexo feminino. Além disso, os riscos aumentam com a idade. Assim, os endocrinologistas orientam mulheres acima de 40 anos, em especial, a fazerem o autoexame da tireoide periodicamente.

Na maioria das vezes, o hipotireoidismo é causado por uma inflamação denominada Tireoidite de Hashimoto, uma disfunção autoimune. Por consequência, o organismo produz anticorpos que danificam a tireoide, diminuindo sua capacidade de produção dos hormônios. Em contrapartida, no hipertireoidismo, a glândula passa a funcionar de forma irregular produzindo mais hormônio do que o necessário. Assim, a pessoa perde peso, transpira em excesso, não tolera o calor, fica agitada, tem insônia, palpitações e menstruação irregular.

O diagnóstico das disfunções tireoideanas é feito com um simples exame de sangue, que dosa os níveis de TSH (hormônio estimulante da tireoide). O hipotireoidismo também afeta recém-nascidos. Nestes casos, a disfunção é diagnosticada pelo conhecido “teste do pezinho” e o tratamento deve ser iniciado imediatamente.

O Tratamento

Para evitar as complicações das disfunções tireoideanas basta que o paciente siga as prescrições do seu médico, tomando o medicamento de forma correta e constante. No caso do hipotireoidismo, quando o tratamento não é adequado, ou mesmo quando a disfunção não é diagnosticada a tempo, podem surgir as seguintes complicações:

* Anemias
* Coronariopatia
* Desordem gastrointestinais, neurológicos, endócrinos, metabólicos e renais
* Disfunções respiratórias
* Dislipidemia
* Glaucoma
* Hipertensão arterial
* Insuficiência cardíaca
* Retardo mental, surdez e deficiência no crescimento em recém-nascidos com hipotireoidismo

Fonte: SBEM



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato