Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita
[09/01/2019]
Exercícios impedem avanço do Alzheimer

[08/01/2019]
SUS oferece novo tratamento para pacientes com degeneração da retina


+ mais   


Grávida que come muito sal pode ter filho com pressão alta


19/01/2011


Uma pesquisa feita na Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) aponta os riscos de comer quantidades erradas de sal durante a gestação. Uma dieta com elevado consumo de sal durante a gestação poderá gerar indivíduos que, na idade adulta, terão hipertensão arterial. Por outro lado, se o consumo de sal durante a gravidez for baixo, o problema pode ser o desenvolvimento de resistência à insulina.

Esses são alguns dos resultados obtidos em estudos feitos com ratos pela equipe do professor Joel Claudio Heimann, livre-docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). As informações são da Agência Fapesp.

Heimann diz que os resultados não significam necessariamente o aumento da mortalidade dos ratos na idade adulta. E também que é preciso estudar mais o assunto em humanos.

Mesmo assim, o trabalho vem produzindo dados importantes sobre o papel do sal durante o período gestacional. Por exemplo, a dieta hipossódica, com restrição de sal, levou à formação de animais que, na idade adulta, apresentaram excesso de colesterol (hipercolesterolemia).

Esses mesmos animais também apresentaram maior resistência à insulina, diz o professor.

– Isso significa que eles precisam de mais insulina para manter os níveis normais de açúcar no sangue.

Outro efeito curioso observado é que as fêmeas (mas não os machos) das proles de mães que consumiram dieta com pouco sal durante a gestação e amamentação desenvolveram obesidade na idade adulta.

O professor explica que os motivos que levam à obesidade podem ser a maior ingestão de alimentos com conteúdo calórico elevado, o menor gasto energético causado pelo sedentarismo ou problemas de metabolismo (como o hipotiroidismo). Ou um conjunto desses fatores.

– No nosso estudo, o primeiro fator foi excluído. As fêmeas obesas não ingeriram mais ração do que o grupo controle [prole de mães alimentadas com ração com conteúdo normal de sal durante o período perinatal]. Em conclusão, restou a hipótese do menor gasto energético.
Fonte: http://gazetaweb.globo.com/



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato