Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Relógio biológico de pessoas deprimidas funciona em fuso horário trocado


14/05/2013



MICHIGAN — Todas as células em nosso corpo funcionam em ciclos de noite-dia, escuro-claro e o cérebro mantém o relógio celular em sintonia com o mundo para governar o sono, o apetite e os humores, entre outras funções. Uma nova pesquisa da universidade de Michigan mostra que o relógio pode estar quebrado em pessoas com depressão, até em nível de atividade genética dentro das células.

Esta é a primeira evidência direta da alteração do ritmo circadiano no cérebro de pessoas com depressão, e foi publicada na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS).

Em um cérebro normal, o padrão de atividade genética em um determinado momento do dia é tão distinta que os autores poderiam utilizá-lo para estimar com precisão a hora da morte do doador de cérebro, sugerindo que estudar este “relógio parado” poderia ser útil em medicina forense. Por outro lado, em pacientes com depressão grave, o relógio circadiano estava tão perturbado que o padrão “dia” de um paciente de atividade do gene poderia parecer um padrão “noite” – e vice-versa.

Os pesquisadores do Departamento de Genética Humana examinaram 12 mil transcrições genéticas isoladas de seis regiões de 55 cérebros de pessoas sem depressão, o que forneceu um entendimento detalhado de como a atividade genética varia ao longo do dia nas regiões cerebrais estudadas. Mas quando os pesquisadores tentaram fazer o mesmo com dados dos cérebros de 34 pessoas com depressão, a atividade genética ficava desligada por horas e as células pareciam estar em horários completamente diferentes do dia, em comparação com os indivíduos saudáveis.

“Aquele foi realmente um momento de descoberta quando vimos que as pessoas deprimidas não estavam em sincronia com o dia solar normal em termos de atividade genética, era como se eles estivessem vivendo em fusos horários diferentes”, escreveram os pesquisadores.


Fonte: Saúde O Globo



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato