Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Como o nosso corpo sente a mudança do horário de verão


21/10/2013



Não é apenas o relógio da parede que tem que se adaptar ao novo horário, o nosso corpo também pode sofrer com as alterações. Veja como superá-las!

Neste final de semana, as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste vão adiantar em uma hora seus relógios. Isso significa que a madrugada de sábado (19) para domingo (20) será mais curta e nós teremos menos tempo para descansar. Essa pequena mudança até parece inofensiva, mas ela pode trazer sintomas indesejáveis. "Algumas pessoas podem ter mais crises de enxaqueca e mau-humor", diz Paulo Camiz, professor e clínico-geral do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

As mulheres são mais sensíveis à mudança, sofrendo mais com os sintomas emocionais. "Até mesmo o hábito intestinal pode ser alterado, já que muitas vezes ele está atrelado ao ciclo do sono e vigília", alerta Camiz. A dificuldade para adaptação é muito influenciada pela melatonina - hormônio chave para induzir o sono - que é liberado pelo corpo diante da ausência do estímulo luminoso, ou seja, à noite.

Por isso, se acordamos cedo e ainda está escuro, o nosso corpo irá funcionar como se ainda fosse noite - como se ainda precisássemos dormir. O mesmo acontece para o período noturno: como escurece mais tarde, o nosso corpo tarda para secretar melatonina, fazendo com que a gente fique desperta por mais tempo.

• Como se adaptar melhor

Para não sofrer tanto com as mudanças, você pode começar a acordar mais cedo gradualmente. Experimente também deitar-se antes do costume. Café está liberado para ajudar o despertar, mas evite energéticos. "Muitas pessoas são sensíveis a eles. São preferíveis estimulantes naturais", explica Camiz.

Depois da mudança do horário de verão, ajude o seu corpo a se adaptar: faça exercícios quando o dia já estiver claro e evite a ginástica antes de dormir. Segundo o clínico-geral do HC, ao ser exposto à luz natural, o corpo consegue perceber quando é dia e quando é noite. E assim, regular o seu funcionamento.

E se você costuma praticar exercícios ao ar livre, lembre-se: o sol continua na mesma posição de sempre. Ou seja, às 14 horas, você estará sob os raios solares das 13 horas, que são mais fortes. Então, não abandone o filtro solar entre as 18 e 20 horas, porque os raios ultravioletas continuarão em cima de você.

Ah! Os medicamentos devem ser tomados no mesmo horário de costume. Não é preciso mudar nada. Tenha como referência as refeições e o horário de dormir.



Fonte:MdeMulher



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato