Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Franceses mapeiam resistência do sistema imunológico ao HIV


01/11/2013



A equipe usou um supercomputador para analisar mutações do sistema imunológico de uma variedade de cepas de HIV

Os pesquisadores que criaram o primeiro mapa de resistência humana ao HIV dizem que os resultados do seu trabalho podem levar a melhores tratamentos para o vírus que causa a Aids.

Quando uma pessoa é infectada com o HIV, o sistema imunológico tenta destruir o vírus. Para lutar contra estes ataques, o HIV sofre mutações genéticas milhões de vezes ao dia. Na maioria dos casos, esta tática permite que o vírus derrote o sistema imunológico.

No entanto, o sistema imunológico de algumas pessoas consegue manter o HIV controlado sem qualquer tratamento. "O vírus sobrevive, mas replica de forma mais lenta e, portanto, sua capacidade de destruição é, em certo sentido, neutralizada", afirma o co-autor Jacques Fellay, do Instituto Federal Suíço de Tecnologia, em Lausanne.

Neste estudo, a equipe de Fellay usou um supercomputador para analisar mutações do sistema imunológico disparadas no genoma de uma variedade de cepas de HIV em mais de 1 mil pacientes.

As descobertas melhoram a compreensão de como o sistema imunológico se defende do HIV e como o HIV se adapta a esta defesa.

Ao estudar as defesas naturais das pessoas contra o HIV, pode ser possível desenvolver novos tratamentos e terapias individualizadas que levem e consideração as forças e fraquezas genéticas de cada paciente, afirmam os cientistas.



Fonte:Isaude



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato