Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Autoexame masculino é importante para detectar câncer no testículo


06/11/2013



Câncer de testículo acomete especialmente homens de 15 a 35 anos e, apesar de raro, o tumor é agressivo e evolui rapidamente; autoexame deve ser feito uma vez por mês

A maioria dos homens ainda desconhece o papel do autoexame testicular para a detecção precoce de câncer. Especialistas explicam, no entanto, que as chances de cura aumentam se a doença for detectada e tratada precocemente. A maior incidência deste tumor é em homens jovens, com idade entre 15 e 35 anos.

Segundo o urologista Pedro Ivo Ravizzini, especialista do núcleo de urologia do Hospital Samaritano de São Paulo, o autoexame é simples. “O exame é feito com os dedos indicador, polegar e médio, das duas mãos. O ideal é fazer depois de um banho quente, de frente para o espelho, pois o escroto estará mais relaxado e é mais fácil do paciente apalpar o testículo”, explica o urologista. Segundo ele, o exame deve ser indolor. “A apalpação deve buscar nódulos ou endurecimentos generalizados, e os nódulos geralmente são indolores”.

Por conta da resistência dos homens em se consultar frequentemente com um urologista, é ainda mais importante o alerta para que se detecte em casa alterações que podem ser perigosas, sinalizando assim a necessidade de procurar ajuda antes que elas evoluam para um quadro grave.

O urologista Daher Chade, do Instituto do Câncer de São Paulo e do Hospital Sírio Libanês diz que o ideal é que, antes de o homem fazer o autoexame pela primeira vez, que consulte um urologista para que o médico explique o que é normal ou não é na anatomia genital. “O homem deve correr os dedos em cima do testículo para sentir a superfície e a consistência – que deve ser sempre muito baixa, frouxa. Se o homem notar alguma irregularidade, elevação ou área endurecida, ele deve consultar um médico para que isso seja avaliado”, alerta.

Segundo Ravizzini, que também é membro da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), às vezes os nódulos encontrados podem ser dolorosos. “Os tumores malignos normalmente ficam localizados na lateral do testículo, mas também podem ser encontrados na face central”, explica. “Mas existe uma estrutura em forma de cordão chamada de epidídimo, que é um canal em que os espermatozoides passam e que serve para o armazenamento e amadurecimento deles. Isso não deve ser confundido com nódulos”, tranquiliza. “Assim que o homem se acostuma com a própria anatomia, é mais fácil que ele identifique problemas quando algo de errado aparecer”.

A incidência do câncer testicular dobrou nos últimos 40 anos. “Ninguém consegue explicar o motivo. Apesar disso, ele é relativamente raro ainda, só representa 1% ou 2% dos tumores que acometem os homens. A incidência anual é mais ou menos de 5,4 casos para cada 100 mil homens”, explica Ravazzini.

Segundo Chade, apesar de raro, o câncer é agressivo e evolui rapidamente. “É ideal que se faça o autoexame ao menos uma vez por mês”.

• Autoexame das mamas

Já com autoexame das mamas o homem não precisa se preocupar. “A Sociedade Brasileira de Mastologia não recomenda que se faça, porque a chance de um homem ter câncer de mama é muito pequena, apenas 1% da chance que a mulher tem. É uma patologia incomum”, explica o mastologista Eduardo Millen, diretor da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM).

Segundo Millen, que também é mastologista do Instituto Brasileiro do Câncer e do Hospital HCor, para que seja indicado que um tumor seja rastreado dessa forma, ele precisa ser frequente, o que não é o caso do câncer de mama masculino. “A única maneira do homem perceber é quando ele já tem o tumor”, explica.



Fonte:Saúde iG



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato