Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[21/01/2019]
Evolução da sífilis: quando se deve buscar ajuda
Entenda como a sífilis evolui e saiba quando procurar ajuda
[18/01/2019]
Cientistas desenvolvem molécula que pode tratar insuficiência cardíaca
A Samba foi desenvolvida por pesquisadores da USP nos últimos dez anos, e o teste em ratos se mostrou promissor para ajudar pacientes que sofrem da doença.
[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita

+ mais   


Bebidas energéticas afetam funções cardíacas, diz estudo


03/12/2013



Segundo pesquisa, os energéticos alteram a contração muscular cardíaca e o consumo é perigoso especialmente para adolescentes e adultos jovens

Apesar do número de pacientes atendidos nas emergências de hospitais devido ao consumo de bebidas energéticas ter dobrado entre 2007 e 2011, pouco se sabia sobre como exatamente as bebidas à base de cafeína afetavam o coração. No entanto, um estudo da Universidade de Bonn, na Alemanha, concluiu que os energéticos influenciam o funcionamento do órgão. As informações são do site Mashable.

Segundo a pesquisa, os adultos saudáveis que consomem a bebida, que também é rica em aminoácidos taurina, tiveram as contrações do coração aumentadas uma hora após terem ingerido o produto. "Nós não sabemos exatamente como e se estas características são encontradas somente nos impactos das atividades diárias ou também durante o desempenho atlético", explicou o radiologista Jonas Dörner, responsável peloe estudo.

Os pesquisadores fizeram uma ressonância magnética cardíaca em 18 adultos saudáveis, antes e depois de consumirem as bebeidas energéticas. Os exames revelaram maior pico de tensão no ventrículo esquerdo do coração, local onde o sangue oxigenado flui dos pulmões e é bombeado para a aorta. Eles disseram que não houve variações na pressão arterial ou frequência cardíaca.

"Mostramos que o consumo destas bebidas causa impacto de curto prazo na contração muscular cardíaca", afirma Dörner. Segundo o especialista, é preciso estudos mais aprofundados para determinar os efeitos a longo prazo e ainda sobre as ocorrências individuais de doenças cardíacas relacionadas à bebida.

Ele manifestou que o estudo mostra que deve-se aumentar as preocupações sobre quais as adversidades e os efeitlos colaterais que os energéticos trazem para o coração, especialmente em adolescentes e adultos jovens. Para o especialista, o resultado deveria ser um alerta para que haja controle na venda das bebidas, que hoje tem pouca ou quase nenhuma regulamentação. A pesquisa ainda está em andamento, mas os cientistas aconselham que pessoas com quadro de arritmia cardíaca evitem o consumo destas bebidas.


Fonte: Saúde Terra



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato