Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Estudo associa hábito de ficar sentado à imobilidade


21/02/2014



Mantenha-se em movimento se você pretende evitar a invalidez na velhice, alertam os cientistas. Se você tem 60 anos ou mais, cada hora adicional que você gasta sentado está relacionada ao dobro de risco de se tornar deficiente, de acordo com um novo estudo. As informações são do site do jornal britânico Daily Mail.

Outra má notícia é que o exercício moderado não irá proteger você dos males trazidos pelos longos períodos que vier a passar sentado. Este é o primeiro estudo a mostrar que o comportamento sedentário, por si só, é um fator de risco para a deficiência, independentemente da falta de atividade física. Na verdade, a imobilidade é um fator de risco quase tão forte quanto a ausência de exercício moderado.

Se houver duas mulheres de 65 anos, uma sedentária por 12 horas ao dia, e outra por 13 horas, a segunda tem 50% mais chances de se tornar deficiente do que a primeira, mostra o estudo. Dorothy Dunlop, professora de medicina da Northwestern University Feinberg School of Medicine e autora do estudo, afirma que o sedentarismo não é somente sinônimo de atividade física inadequada. A deficiência, que afeta mais de 11 milhões de britânicos, aumenta com a idade. Apenas 6% são crianças, comparadas com 16% de adultos em idade ativa e 45% de aposentados.

Existem evidências crescentes que sugerem que passar muito tempo sentado pode representar um novo risco para morte prematura. “Isto significa que adultos mais velhos precisam reduzir a quantidade de tempo que permanecem sentados, seja em frente à TV ou ao computador, independentemente se fazem atividade física moderada ou vigorosa”, afirma a professora.

O estudo teve uma amostra de 2.286 adultos com 60 anos ou mais. Foram comparadas pessoas com saúde similar e a mesma quantidade de atividade física. Os participantes utilizaram acelerômetros para medir o tempo de sedentarismo. Estudos anteriores já relacionaram o sedentarismo à deficiência, mas, como haviam sido feitos com autorrelatos, não puderam ser verificados. Uma pesquisa apontou que pessoas que assistem TV seis horas por dia podem diminuir a sua expectativa de vida em até cinco anos.


Fonte: Saúde Terra



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato