Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Saiba mais sobre 9 tipos de métodos anticoncepcionais


28/03/2014



Não está pronta para ser mãe (ainda)? Montamos um superguia de contraceptivos. Confira.


1• Pílula

As que combinam progesterona e estrogênio podem aumentar a retenção de líquido. Esqueceu de tomar? Dependendo do nível hormonal, você fica protegida por até 23 horas. "Pílulas com dose baixa seguram 12 horas", diz a sexóloga Carolina Ambrogine.


2• Camisinha masculina

Achar uma na bolsa é um alívio! Se for de látex e faltar lubrificação, use apenas produtos à base de água.

Bom para quem só quer se preocupar com proteção na hora H.


3• Camisinha feminina

Não quebra o clima, já que pode ser colocada antes do date... O ideal é retirar até oito horas depois da transa.

Bom para quem tem alergia ao látex da versão masculina. Há opções sem o material.


4• DIU

Não tem hormônio e impede que o óvulo fecundado se fixe no endométrio. Tem duração de cinco ou dez anos e precisa ser colocado por um médico. Pode aumentar o fluxo.

Bom para quem tem sensibilidade a hormônio.


5• SIU

Conhecido como Mirena, tem duração de cinco anos e funciona como o DIU, mas contém hormônios (dosagem baixa). Boa uma boa escolha para quem tem ciclos irregulares e sintomas de TPM. Em 60% dos casos, a menstruação acaba sendo inibida. Em compensação, pode deixar a pele bastante oleosa, o que favorece o surgimento de espinhas.


6• Injeção

A aplicação é mensal (estrogênio + progesterona) ou trimestral (só progesterona). Os injetáveis diminuem as cólicas e previnem anemia, por diminuir o fluxo. Em alguns casos da trimestral, há retenção de líquido.

Bom para quem vive esquecendo a pílula.


7• Implante

Uma cápsula colocada sob a pele do braço, que libera o hormônio etonogestrel, que engrossa a secreção do colo do útero e impede a entrada do esperma. Dura até três anos e só um médico pode colocá-lo.

Bom para quem tem problema de circulação.


8• Adesivo anticoncepcional

Libera hormônios direto na corrente sanguínea e pode ser colado no braço, no bumbum ou na barriga. É preciso trocá-lo uma vez por semana. Em alguns casos, pode causar alergia na pele.

Bom para quem sente efeitos colaterais com outros métodos.


9• Anel vaginal

Um anel de plástico flexível com os mesmos hormônios da pílula. É colocado uma vez por mês e deve ser usado por três semanas, até a data da menstruação. Algumas mulheres podem ter um aumento na secreção vaginal.

Bom para quem não consegue se adaptar à ideia de tomar um comprimido por dia, para quem sofre de problemas gástricos ou sente náuseas e enjoo com a pílula.


Fonte: MdeMulher



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato