Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Pílula ajudaria adultos a aprender rápido como as crianças


02/04/2014



Pode parecer coisa de cinema, mas pesquisadores descobriram que uma simples pílula pode ajudar adultos a desenvolverem habilidades tão rápido quanto as crianças. As informações são do site do jornal britânico Daily Mail.

Um professor de Harvard analisou o cérebro de uma jovem com deficiência visual, depois de medicá-la com um remédio para Alzheimer, o Donepezil. A pílula impulsiona substâncias no cérebro, como serotonina e acetilcolina, ambas encontradas em grandes quantidades no cérebro de crianças.

Com a idade, estes componentes químicos vão diminuindo. Antes dos sete anos, as crianças desenvolvem novas habilidades mais rapidamente porque seus cérebros passam pelos chamados “períodos críticos” de desenvolvimento.

Nos adultos, isso se torna cada vez mais difícil porque o cérebro perde esta “elasticidade”. O Donepezil é um inibidor de colinesterase. Isto significa que ele aumenta a quantidade de acetilcolina em torno de terminações nervosas e impulsiona as funções cerebrais.

O professor Takao Hensh deu o remédio para uma paciente de 14 anos, chamada Shannon, que tem uma condição que prejudica sua visão, chamada de “olho preguiçoso”.

Depois dos testes com a medicação, ela foi capaz de processar imagens com o olho afetado. “O cérebro nao perde a elasticidade para sempre depois que ficamos mais velhos”, disse o professor.

Ele acredita que grande parte do comportamento adulto reflete os circuitos neurais esculpidos pela experiência na infância e primeira infância.


Fonte: Saúde Terra



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato