Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Técnica pioneira salva feto diagnosticado com tumor


25/06/2012


Médicos-cirurgiões dos Estados Unidos salvaram a vida de uma bebê antes mesmo de ela nascer.

Durante a gestação, o feto desenvolveu um tumor na boca, que foi removido por meio de uma técnica inédita quando ele ainda se encontrava no útero da mãe.

Médicos removem tumor de 168 gramas de bebê

Na cirurgia realizada no Hospital Memorial Jackson, da Universidade de Miami, usou-se um endoscópio guiado por ultrassom para localizar o tumor, que foi retirado com o uso de laser.

A cirurgia ocorreu em maio de 2010 e hoje o bebê --a menina Leyna Mykaella-- passa bem. A notícia só veio à tona agora, com um artigo sobre a intervenção inédita publicada na revista médica "American Journal of Obstetrics & Gynaecology".

DESCOBERTA DO TUMOR

A mãe Tammy Gonzalez, 39, descobriu que seu bebê não estava bem durante um exame de rotina. O feto tinha na boca uma "bolha" do tamanho de uma caixa de fósforo, que mais tarde foi diagnosticada como um teratoma oral --tumor formado por uma mistura de tecidos de diferentes tipos.

A incidência de um caso como esse é de um em cada 100 mil gestações.

O médico-cirurgião Ruben Quintero, que possui um histórico de lidar com bebês que apresentam quadros de saúde delicados, realizou o procedimento de remoção.

Uma das preocupações dele era que o tumor poderia crescer rapidamente e causar uma hemorragia, provocando a morte da criança.

Depois de cinco meses, a mãe deu à luz uma filha saudável, que tem apenas uma pequena cicatriz na boca como resquício da cirurgia inovadora.



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato