Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Estudo testa ultrassom em pílula para acelerar ação de remédios


26/06/2012


O ultrassom está sendo testado em pílulas para acelerar o processo de absorção de remédios pelo corpo.

A uPill, como é chamada no exterior, emite ondas ultrassônicas que turbinam a ação da droga no tecido do aparelho gastrointestinal.

A companhia de engenharia biomédica Zetroz e cientistas do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) realizam atualmente experimentos com animais para checar se a uPill atravessa o aparelho digestivo sem provocar nenhum dano. A Zetroz já desenvolveu um dispositivo semelhante -- um adesivo que libera remédio na pele do doente.

O ultrassom tem sido usado para acelerar a transferência de drogas pela pele, ao mesmo tempo em que eleva a capacidade de absorção.

Ele age da seguinte forma: ao aquecer as moléculas existentes dentro do tecido cutâneo, torna mais permeável as membranas do mesmo.

O método é particularmente bom para remédios usados no tratamento de tumores e em diferentes tipos de vacinas. No caso dos diabéticos, a pílula poderia substituir as injeções de insulina no futuro.

O pesquisador Daniel Anderson, do MIT, acredita que a pílula poderia criar uma classe totalmente nova de drogas. Mas admite que, pelo custo de cada pílula --entre R$ 40 e R$60--, ela seria acessível a poucas pessoas.

Fonte: www.folha.uol.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato