Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita
[09/01/2019]
Exercícios impedem avanço do Alzheimer

[08/01/2019]
SUS oferece novo tratamento para pacientes com degeneração da retina


+ mais   


Cafeína é mais prejudicial a meninos do que a meninas na adolescência


23/06/2014



Cafeína afeta meninos e meninas de forma diferente na puberdade. Novo estudo da Universidade de Buffalo descobriu que, após a puberdade, meninos e meninas experimentam diferentes alterações na frequência cardíaca e pressão arterial após consumir cafeína. O coração dos meninos é mais afetado que o das meninas.

O estudo também mostrou que as meninas experimentaram diferente frequência cardíaca e pressão arterial variada ao longo do seu ciclo menstrual. De acordo com os pesquisadores, esta característica dá mais argumentos para a teoria de que a maturidade sexual muda a reação do corpo à cafeína. Mesmo assim, eles afirmam que anda é preciso a realização de mais estudos sobre o tema para esta confirmação.

“Encontramos diferentes respostas à cafeína dependendo da fase do ciclo menstrual da menina em todo o ciclo menstrual com a diminuição do ritmo cardíaco na fase luteínica e maior pressão arterial na fase folicular”, disse Jennifer Temple, professora do departamento de Ciências do Exercio e Nutrição da Universidade de Buffalo e autora do estudo.

As fases do ciclo menstrual são marcadas pelas alterações dos níveis de hormônio. Há a fase folicular, que começa no primeiro dia de menstruação e termina com a ovulação e a fase luteínica, que segue durante a ovulação e é marcada por níveis mais altos de progesterona.

Estudos anteriores tinham mostrado que a cafeína aumentava a pressão arterial e diminuía a frequência cardíaca de crianças, pré-adolescentes, adolescentes e adultos. Porém, o estudo da Universidade de Buffalo descobriu que a diferença de gênero tem papel na resposta cardiovascular à cafeína após a puberdade.

Nos últimos anos houve uma alta no consumo de cafeína entre adolescentes por conta de refrigerantes e energéticos. A Academia Americana de Pediatria desaconselha o consumo de bebidas energéticas por adolescentes por elas não oferecerem nenhum benefício à saúde. Mas nos Estados Unidos três em cada quatro crianças ingerem cafeína todos os dias.


Fonte: Saúde iG



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato