Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[18/01/2019]
Cientistas desenvolvem molécula que pode tratar insuficiência cardíaca
A Samba foi desenvolvida por pesquisadores da USP nos últimos dez anos, e o teste em ratos se mostrou promissor para ajudar pacientes que sofrem da doença.
[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita
[09/01/2019]
Exercícios impedem avanço do Alzheimer


+ mais   


Sob o comando das mãos


27/06/2012


A tecnologia dos videogames foi parar na sala de cirurgia. Com poucos meses de diferença, hospitais em Londrina, no Paraná, e em Londres, na Inglaterra, implantaram sistemas que usam leitores de movimento sem fio para facilitar a visualização dos exames de imagem do paciente na sala de operação. O recurso permite que os próprios cirurgiões selecionem, ampliem e girem as imagens tridimensionais de qualquer parte do corpo sem precisar pedir ajuda a assistentes ou despir-se das luvas esterilizadas para usar teclados ou mouses. O efeito é conseguido apenas com comandos de voz ou movimentos das mãos. É possível também aplicar marcadores para mostrar à equipe o local exato da intervenção.

Na Inglaterra, o método está sendo usado no Hospital St. Thomas. Lá, a tecnologia adotada é resultado de uma parceria entre a empresa Microsoft Research e a Universidade de Lancaster e possibilita que o médico manipule as imagens usando a própria voz ou gestos. No Paraná, o Hospital Evangélico de Londrina utiliza sistema similar. A diferença é que responde somente a comandos gestuais. “Começamos a buscar soluções para facilitar a visualização dos exames na sala de cirurgia. Inicialmente, testamos tablets, mas ainda assim havia o toque”, conta Cezar Martinelli, gerente de tecnologia da informação do hospital paranaense. “A solução foi adaptar um monitor, um computador e o sensor de movimento Kinetc, da Microsof, usado nos videogames. Desenvolvemos o aplicativo em parceria com a empresa americana Active 3D”, diz Martinelli.

Uma das principais vantagens da tecnologia é a diminuição dos riscos de infecção hospitalar, já que o médico não precisa tocar nos aparelhos para ver melhor as imagens. “Outro ganho é a visualização mais precisa dos exames, aumentando a segurança dos procedimentos”, diz o neurocirurgião Luiz Koury, diretor do hospital paranaense. Especialistas independentes acreditam que o novo recurso será uma tecnologia amplamente usada em pouco tempo.

Fonte: www.istoe.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato