Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Exame de sangue poderia identificar risco de câncer de mama


27/06/2014


Pesquisadores descobriram que uma característica molecular pode indicar predisposição à doença, mesmo que a mulher não tenha casos de câncer de mama na família

Um simples exame de sangue pode oferecer a muitas mulheres um alerta precoce sobre o câncer de mama, mesmo que elas não tenham casos da doença na família, ou seja, risco por herança genética. Cientistas identificaram uma característica molecular em amostras de sangue que aumenta as chances de câncer de mama. As informações são do The Guardian.

O diferencial encontrado é associado ao gene do câncer de mama BRCA1, cuja alteração é responsável por 10% dos casos da doença, junto com mutações no BRCA2, deixando 90% do restante da incidência sem explicações. Uma mulher com o gene BRCA1 tem risco de 85% de desenvolver câncer de mama, o que leva algumas portadoras a tomarem a medida drástica de remoção da mama.

A característica molecular descoberta, de acordo com o chefe da pesquisa Martin Widschwendter, da University College London, é presente em mulheres com a mutação do gene BRCA1 e foi observada em grandes grupos de mulheres sem essa alteração genética. A descoberta foi capaz de prever o risco do câncer em pacientes sem a predisposição genética, explicou o especialista.

O pesquisador sobre a doença Matthew Lam afirmou que os resultados podem significar que no futuro uma mulher seja capaz de fazer um simples exame de sangue para buscar essa alteração molecular e descobrir sua predisposição para a doença.


Saúde Terra



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato