Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Depressão tem cura? Entenda como é o tratamento da doença


18/08/2014



Pacientes que apresentaram um episódio depressivo tem mais chances de sofrer outros

A pergunta "depressão tem cura?" possivelmente é a mais frequente em um consultório de psiquiatria. Para responder de maneira mais completa essa pergunta aparentemente simples é importante primeiro caracterizar o que é depressão. Hoje entendemos que a depressão é um transtorno que acomete todo o indivíduo - interferindo no sono, alimentação e energia. As pessoas deprimidas descrevem sensações físicas incômodas, dificuldade em realizar atividades corriqueiras até mesmo as prazerosas.


Outro ponto fundamental é diferenciar a depressão da tristeza habitual. A tristeza assim como a alegria é um sentimento próprio da vida. Esse sentimento em geral está relacionado a eventos desagradáveis e não é nem tão duradouro ou intenso que impende que a pessoa continue participando ativamente de sua vida, como emprego, casamento e estudos. Já a depressão nem sempre está relacionada a um evento desagradável específico, não é passageira e tende a limitar as ações habituais do individuo.


Assim, a partir do diagnóstico correto de depressão, pacientes podem receber indicação de psicoterapia, medicação, prática de atividade física, melhora de outros problemas de saúde, entre outros. Independente da técnica ou intervenção proposta, o foco do tratamento deve ser a melhora completa de todos os sintomas que sugiram dentro do quadro depressivo.


Essa melhora completa é fundamental para que as recaídas e a cronificação sejam minimizadas. É importante ressaltar que mesmo diante de um tratamento correto é sabido que mais de 50% dos pacientes, após um primeiro episódio depressivo, irão apresentar recaída. Essa recaída pode ser variar entre apenas um novo episódio ou múltiplos.
Quando não tratada, a depressão se estende por cerca de seis meses. Mesmo assim pode ocorrer a cronificação, que representa a persistência de sintomas que podem ser mínimos ou não.


Por último a depressão é um doença multifatorial, ou seja, os fatores genéticos, biológicos e psicossociais sempre se somam para configurar o quadro depressivo de cada paciente. Semelhante ao que ocorre com doenças clínicas, como hipertensão arterial e diabetes, em que esses diversos fatores estão implicados e que há períodos de crise ou agudização, entendemos que a depressão é um doença crônica que não tem cura, mas que diante dos tratamentos atuais podemos vislumbrar um bom controle do quadro com menor número de episódios, com episódios menos graves e menos duradouros.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato