Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Cálculo renal: pedras acima de 6 mm necessitam de cirurgia


29/10/2014



Tratamentos variam conforme tamanho e localização do cálculo

Litíase urinária é a presença de cálculos em qualquer região do trato urinário que compreende: rins, ureteres, bexiga e uretra. Estes cálculos, que comumente são chamados de pedras, podem ter diversas origens, e de acordo com sua localização podem causar sintomas leves, graves ou não apresentar qualquer sintoma. A sua incidência encontra-se entre 2 a 3% da população, com chance de recidiva de 80%. Cálculos assintomáticos podem se tornar sintomáticos em 50% das pessoas.

A urina é composta por várias substâncias, sendo algumas delas sólidas que se encontram diluídas de maneira equilibrada, e outras que ajudam a tornar o material sólido mais solúvel. O desequilíbrio entre a concentração destas substâncias com o aumento de algumas ou diminuição de outras pode levar a precipitação de cristais insolúveis com formação de cálculos. Os principais componentes da urina que podem formar cálculos são o cálcio, o oxalato, o ácido úrico, fósforo, magnésio e cistina. O citrato que também é um componente da urina por sua vez tem a função de evitar a formação dos cálculos.

O fator de risco mais comum, encontrado em mais de 80% dos pacientes, é o antecedente familiar de cálculo renal. Nesses casos, em 90% das vezes os cálculos são formados por cálcio. Outros fatores importantes na formação do cálculo urinário são a baixa ingestão de líquidos e o uso abusivo de sal de cozinha. A dieta com alimentos que contenham oxalato pode predispor a formação de cálculos. Problemas no metabolismo de algumas substâncias como a cistina e o ácido úrico podem levar ao aumento na eliminação destes produtos na urina e consequente formação de cálculos destas substâncias.


• Cálculo pode sair dos rins e chegar ao sistema urinário

Quando estão no rim geralmente não causam sintomas, as cólicas renais acontecem quando os cálculos estão sendo eliminados e acabam obstruindo os ureteres, que são os canais que levam a urina dos rins até a bexiga.


• Como é o tratamento?

Os cálculos formados nos rins, em sua maioria, acabam sendo expelidos pelo trato urinário. Cálculos menores que 5 mm têm mais de 70% de chance de serem eliminados sem necessidade de procedimentos ou tratamentos. Desta maneira, cálculos renais menores que 5 mm não necessitam tratamento específico.

Para cálculos renais entre 6 mm e 15 mm, o tratamento de escolha é a nefrolitotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO), que consiste na aplicação de ondas de choque emitidas por equipamento específico que concentra as ondas de choque sobre a pedra. A localização pode ser feita com auxílio do raio-x ou ultrassom. Este procedimento tem uma eficácia de cerca de 70% e o sucesso depende da consistência e localização do cálculo. (link para vídeo http://youtu.be/F5FTre9qOiY)

Cálculos renais maiores que 15 mm necessitam de cirurgia para sua resolução. A melhor cirurgia para cálculos renais é feita por meio de uma pequena incisão de 1 cm na região lombar, com introdução pequenos tubos até o interior do rim, onde estão os cálculos. Um equipamento com câmera na extremidade é introduzido e os cálculos, sob visão direta, com auxílio de equipamento ultrassônico, são fragmentados e aspirados. A cirurgia descrita chama-se nefrolitotripsia percutânea. A palavra nefrolitotripsia vem do grego nefro=rim, lito=pedra e trispsia=quebrar.

Alguns cálculos podem crescer muito e atingir dimensões maiores que 5 ou 6 cm ocupando todo o interior do rim, estando associado a infecção crônica. Estes cálculos são silenciosos, causando poucos sintomas, porém levando a perda da função renal a longo prazo. Muitas vezes o tratamento destes cálculos necessitam de inúmeras cirurgias (nefrolitotripsia percutânea) ou mesmo cirurgias convencionais com abertura do rim.

Outra cirurgia que surgiu recentemente para tratamento de cálculos renais é feita através da via urinária, sem nenhuma incisão. O equipamento fino e flexível e introduzido através da uretra, passando pela bexiga, ureter e chegando até o rim, onde os cálculos são fragmentados com auxílio do laser (ureterorrenolitotripsia flexível).

Já os cálculos que já saíram do rim e estão no ureter a caminho de serem eliminados podem causar dor, pararem no meio do caminho e não serem eliminados. Esses cálculos precisam muitas vezes de tratamento cirúrgico e são perigosos, podendo levar a diminuição da função do rim de forma temporária ou mesmo de forma definitiva se não for tratado. A cirurgia é chamada ureterolitotrispia, e é feita também por meio da via urinária com equipamento que tem uma câmera na extremidade. O cálculo é quebrado com o auxílio do laser, sendo que os fragmentos são retirados com auxílio de uma pequena cesta (veja o vídeo http://youtu.be/dhLuFU0QHhM).


• Cirurgia não é definitiva

As pessoas que eliminam os cálculos ou que fazem tratamentos para sua eliminação podem apresentar recidiva e formação de novos cálculos se mantiverem os mesmos fatores de risco. Desta maneira, é muito importante que os pacientes que têm o diagnóstico de cálculo renal mudem alguns hábitos de vida pra evitar a formação de novos cálculos. As mudanças são simples, como aumentar a ingestão de líquidos, evitar excesso de sal de cozinha e de alguns alimentos. Se apesar dessas medidas o paciente apresentar a formação de novos cálculos é necessária a investigação metabólica da origem do cálculo e por vezes o uso de medicamentos para evitá-los.

Salientamos que as indicações de tratamento expostas acima devem ser individualizadas levando em conta diversos fatores e as características de cada paciente, podendo muitas vezes ser diferentes do descrito acima. É importante que o tratamento dos cálculos seja acompanhado por profissional habilitado para tal como urologista ou nefrologista.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato