Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[18/01/2019]
Cientistas desenvolvem molécula que pode tratar insuficiência cardíaca
A Samba foi desenvolvida por pesquisadores da USP nos últimos dez anos, e o teste em ratos se mostrou promissor para ajudar pacientes que sofrem da doença.
[15/01/2019]
Dorme menos de 6 horas por noite?
Estudo indica que você tem mais chances de ter problemas de saúde
[10/01/2019]
É arriscado beijar bebês recém-nascidos?
Veja que cuidados tomar na hora da visita
[09/01/2019]
Exercícios impedem avanço do Alzheimer


+ mais   


Cardiologistas testam camiseta que monitora frequência cardíaca


10/07/2012


Uma camiseta "high tech", que faz eletrocardiograma, tem sido usada por serviços de saúde brasileiros em substituição ao holter, o dispositivo portátil que monitora a frequência cardíaca.

A camiseta tem sensores que captam os sinais vitais da pessoa. Um gravador do tamanho de uma moeda, no bolso lateral do vestuário, registra os dados do exame.

O monitoramento do ritmo cardíaco é feito por um sistema sem fios (bluetooth) por até 72 horas contínuas. O exame custa em média R$ 200.

A camiseta tem sido usada também para acompanhar o desempenho de atletas em maratonas ou simplesmente em uma aula de spinning.

Segundo a cardiologista Isa Bragança, especializada em medicina do esporte, a vantagem é o monitoramento no tempo real do exercício.

"Isso permite que o clínico cruze dados da atividade do paciente com alterações na frequência cardíaca e episódios de arritmias, por exemplo", explica a médica.

Outro diferencial da camisa, diz ela, é a praticidade. A pessoa poder fazer acompanhamento cardíaco sem carregar o holter na cintura.

Um dos entraves para a popularização do vestuário entre os serviços de saúde, porém, é o seu custo: cerca de R$ 4.600 (cada kit completo).

Outra questão que incomoda os pacientes é o modelo. "Camiseta preta de manga é muito quente", diz Isa.

Para o cardiologista Enrique Pachón, do serviço de arritmias cardíacas do HCor (Hospital do Coração), a camiseta não tem vantagens. O serviço fez testes com ela em 2011, mas não a aprovou.

Um das razões foi o fato de a pessoa ter de colar adesivos no corpo e se conectar aos eletrodos do vestuário para fazer o exame. A camiseta, lavada a cada uso, também desagradou os pacientes.

Fonte : www.folha.uol.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato