Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[13/11/2018]
Aplicativo de celular identifica com precisão ataques cardíacos
Pesquisadores acreditam que aplicativo poderia ajudar pessoas em países sem acesso a exames como o eletrocardiograma tradicional.
[12/11/2018]
Exame de cinco minutos pode prever o risco de demência, diz estudo
Doença estaria associada a maior pulsação arterial, que desencadearia declínio cognitivo
[07/11/2018]
Inteligência artificial consegue prever Alzheimer anos antes do diagnóstico

[05/11/2018]
O inovador implante na medula que fez homem com paralisia voltar a andar
Cientistas da Suíça desenvolveram método que estimula impulsos em medula espinhal de pacientes.

+ mais   


Qual tipo de cirurgia bariátrica e metabólica é a mais indicada?


22/12/2014



Veja as melhores alternativas de acordo com as condições de cada paciente

Como qualquer tratamento, as cirurgias bariátricas e metabólicas são individualizadas, dependendo de diversos fatores, incluindo idade, número e severidade das doenças associadas.

Relembrando o que já discutimos em artigos anteriores, as operações bariátricas são diferentes das metabólicas. Estas últimas tem como indicação o controle do diabetes do tipo 2 e das outras doenças associadas como hipertensão e hiperlipidemia (problemas com o colesterol e triglicérides), inicialmente através de mecanismos que não dependem da perda de peso.

Relembrando o que já discutimos em artigos anteriores, as operações bariátricas são diferentes das metabólicas. Estas últimas tem como indicação o controle do diabetes do tipo 2 e das outras doenças associadas como hipertensão e hiperlipidemia (problemas com o colesterol e triglicérides), inicialmente através de mecanismos que não dependem da perda de peso.

Sendo que o emagrecimento é um excelente efeito colateral a longo prazo e as bariátricas que tem como finalidade a perda ponderal para controle de outros problemas que são diretamente secundários ao excesso de peso, como problemas de articulações, coluna, refluxo de ácido do estômago para o esôfago dentre outras.

Basicamente hoje estão regulamentadas pelo Conselho Federal de Medicina 4 tipos de operações: a gastroplastia em Y de Roux(GYR), que é a mais realizada no país (redução do estômago e desvio curto do intestino), a gastrectomia vertical (GV) e as operações chamadas de derivações bileo pâncreasicas (DBP) que são aquelas que essencialmente privilegiam a má absorção e tem um componente gástrico (redução do estomago) diferente da GYR. Finalmente, o último tipo de operação é a banda gástrica ajustável, praticamente não mais utilizada em nosso país por resultados pouco animadores a médio/longo prazo. Qualquer outro procedimento que não seja um destes listados acima deve ser considerado experimental e somente realizado sob protocolos de pesquisa.

Dentre as cirurgias regulamentadas, as que apresentam melhor perda de peso a longo prazo são as DBP, porém ela é pouco utilizada pelo razoável risco de desnutrição a médio/longo prazo, além de que em alguns casos, a diarreia que pode ser consequente a essa operação leva a menor qualidade de vida dos operados. Atualmente, ela é exceção em nosso país.

As outras 2 opções são as mais indicadas atualmente. A GYR é a operação que tem mais tempo de acompanhamento e é a que mais estudos tem em relação ao seu mecanismo de ação e seus resultados. A GV é relativamente nova, porém recentemente despertou entusiasmo na comunidade cirúrgica.

A perda de peso da GV é melhor que a banda gástrica, porém menor que a GYR. Os resultados em relação ao controle do diabetes tipo 2 e dos outros componentes da síndrome metabólica, é também inferior à GYR.

A GV deve ser indicada para aqueles sem diabetes avançado, com índices de massa corpórea (IMC) mais baixo, portanto com o objetivo de perda ponderal mais modesta. Já GYR tem bons resultados a longo prazo em pacientes diabéticos independentemente de sua severidade e boa perda ponderal. Por isso é a mais realizada no Brasil.

Uma questão a ser discutida é a melhor opção nos superobesos ( IMC>50 kg/m2). Esse tópico é assunto muito debatido em publicações e congressos médicos. Alguns defendem nessa população as DBP, enquanto que outros a DYR. Alguns grupos propuseram primeiramente uma GV, melhora das condições clínicas e perda de peso e posterior complementação com uma GYR ou DBP (essa tática com 2 cirurgias é chamada de opção em 2 tempos). Nosso grupo do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz tem preferência nos superobesos pela DYR, com resultados satisfatórios a longo prazo, tanto em relação à resolução das doenças associadas, quanto a perda ponderal.

Finalmente, os procedimentos bariátricas e metabólicos devem ser individualizados. A literatura mostra que em IMCs mais baixos (35 a 40 kg/m2) sem diabetes, a GV pode ser uma boa opção. A GYR tem bons resultados a longo prazo para os diabéticos e boa manutenção do peso a longo prazo. Apesar de bons resultados, DBP é uma opção de exceção pelo maior risco nutricional.


Fonte: Minha Vida



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato