Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Nova terapia pode ajudar na recuperação de infarto


12/07/2012


Pesquisadores da Universidade Fudan, na China, desenvolveram uma nova terapia capaz de recuperar o tecido do coração danificado depois de um infarto do miocárdio. A descoberta foi publicada na revista Experimental Biology and Medicine.

O infarto acontece quando o fluxo de sangue para o coração é impedido, levando à morte de algumas células do órgão. Ele pode levar ao óbito se o paciente não for socorrido rapidamente. Mesmo depois do tratamento, o paciente ainda pode ter algumas complicações, como arritmia e insuficiência cardíaca, dependendo do número de células afetadas em seu coração.

Para tratar dessas consequências, cientistas já haviam desenvolvido um tratamento com células-tronco alteradas geneticamente. Essas células produziam em grande quantidade uma proteína chamada de fator de crescimento endotelial vascular (VEGF, em inglês), responsável pelo nascimento de novas veias e pela substituição de velhas células cardíacas por novas. Desse modo, ela poderia recuperar as células danificadas no coração. No entanto, o excesso dessa mesma proteína também é responsável por estimular o crescimento de tumores nas veias.

Pensando em transformar a técnica mais segura para uso em humanos, os cientistas chineses inseriram na célula tronco, no mesmo gene alterado para produzir o VEGF, um elemento que responde à falta de oxigênio. Enquanto o coração estiver danificado, a célula irá produzir a proteína. No entanto, assim que a circulação sanguínea na região voltar ao normal, e com ela o suprimento de oxigênio, a produção do VEGF é interrompida.

Para testar a técnica, os cientistas injetaram as células tronco alteradas geneticamente perto da área infartada no coração de ratos. Depois de 28 dias, eles analisaram o coração dos animais e perceberam uma recuperação no tecido do órgão.

Fonte: www.veja.abril.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato