Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Abuso de paracetamol pode causar morte precoce, diz estudo


16/03/2015


Pesquisa com mais de 600 mil pessoas revela riscos de ataque cardíaco e AVC por mal uso do medicamento

Consumir doses exageradas por um longo período de paracetamol pode matar. Segundo pesquisa feita por cientistas do Institute of Rheumatic and Musculoskeletal Medicine, na Inglaterra, o uso diário do medicamento também pode causar ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.

De acordo com a publicação, os resultados do estudo mostraram que consumidores frequentes de paracetamol aumentaram em até 63% as chances de mortes inesperadas. Os riscos de problemas no coração e AVC subiram para 68% além do normal, enquanto as chances de desenvolvimento de um sangramento por conta de uma úlcera no estômago são 50% maiores.

Ainda assim, o paracetamol é considerado menos perigoso do que a aspirina, associada a casos de hemorragia no estômago, e o ibuprofeno, responsabilizado por ataques cardíacos e derrames em alguns pacientes.

Ao todo, 660 mil pessoas serviram como objeto da pesquisa. Os pesquisadores dizem que os riscos podem ser subestimados e estão pedindo uma revisão importante para confirmarem os dados de segurança da droga.

Os cientistas tomaram como base oito estudos feitos com pacientes que, nos últimos 14 anos, consumiram o medicamento com frequência. Nestes casos, a droga foi diretamente relacionada a deficiências como artrite e dores nas costas.

Fonte: Saúde Terra



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato