Rua Sorocaba, 706 - Botafogo
CEP: 22271-110 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.:2103-1500 - Fax:2579-3713
E-mail: sac@clinicoop.com.br
Notícias

[15/03/2019]
Comer cogumelos duas vezes por semana reduz risco de perda de memória
Comer cogumelos ao menos duas vezes por semana pode ajudar a prevenir problemas de memória e fala em pessoas com mais de 60 anos.
[22/02/2019]
Minicérebros criados em laboratório no Rio têm até olhos
No futuro, testes dirão se os organoides podem enxergar; estruturas devem servir para entender doenças e avaliar medicamentos
[15/02/2019]
Gonorreia: por que a doença está ficando resistente a medicamentos
Bactéria responsável pela infecção sexualmente transmissível está desenvolvendo resistência aos antibióticos existentes
[14/02/2019]
Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul, alerta OMS
Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para terceira onda de contaminação

+ mais   


Bebida esportiva não aumenta energia e pode causar problemas


20/07/2012


maioria das pessoas pensa que as bebidas esportivas aumentam os níveis de energia e ajudam na hora dos exercícios. Mas, segundo pesquisadores, elas são um desperdício de dinheiro e podem realmente ser prejudiciais à saúde. As informações são do Daily Mail.
Os pesquisadores advertem que essas bebidas contêm grandes quantidades de açúcar e calorias que incentivam o ganho de peso. Acadêmicos de Oxford e Harvard também acusam os fabricantes de "enganarem" os frequentadores de academia, convencendo-os de que estão à beira da desidratação.
Por isso, os responsáveis pelo estudo ressaltam que pode ser perigoso beber este líquido, pois podem causar a hipernatremia, na qual as células do cérebro incham. As bebidas esportivas cresceram 10% na Grã-Bretanha no ano passado e cerca de 440 milhões de litros são bebidos por ano, suficiente para encher 400 piscinas olímpicas de natação.
Essas bebidas também são compradas por funcionários de escritórios que querem um impulso energético. O estudo publicado no British Medical Journal analisou 104 produtos, incluindo bebidas esportivas e shakes de proteína, e estudou mais de 400 alegações de saúde feitas em anúncios.
Após a analise, os pesquisadores afirmaram que há "falta de provas" nas propagandas delas. Deborah Cohen, responsável pelas investigações no BMJ, afirmou que "estas mensagens enganam e filtram os conselhos de saúde todos os dias".
Os autores também alertaram que as proteínas dos shakes não são melhores do que as do leite. "A ausência de evidência de alta qualidade é preocupante", afirmaram.

Fonte: www.saude.terra.com.br



Bookmark and Share

< voltar   
Home     |     Clínica     |     Especialidades     |     Corpo clínico     |     Localização     |     Contato